diversão

Cinco programas imperdíveis para o fim de semana

Confira a seleção especial de VEJA RIO para deixar seu fim de semana ainda mais animado

Por: Redação VEJA RIO

+ Calendário de festas juninas no Rio

 

  • Após edições temáticas com Anitta, Ludmilla e Valesca Popozuda, a badalada Chá da Alice convida novamente a musa do axé Ivete Sangalo para estrelar o aniversário de sete anos do agito. A baiana vai animar o público com sucessos como Festa e Sorte Grande. Nos intervalos, os DJs Giordanna Forte e Thiago Araújo despejam na pista clássicos dos anos 90, funk e pop. Barra Music (6 600 lugares). Avenida Ayrton Senna, 5850, Gardênia Azul, ☎ 3303-1000. Sexta (1º), 23h. R$ 70,00 (pista, 1º lote) a R$ 150,00 (pista premium). IR.
    Saiba mais
  • Difundidas pelo dramaturgo Artur Azevedo (1855-1908) em fins do século XIX, as revistas de ano percorriam os acontecimentos dos doze meses anteriores, sempre temperadas por humor popular e números musicais, além de críticas sociais e políticas. Essa é a proposta da comédia que perpassa 2014, um dos períodos mais agitados da história recente do Brasil. Da Copa do Mundo, a montagem faz troça com a malfadada cerimônia de abertura e, claro, a fatídica derrota da seleção brasileira por 7 a 1 para a Alemanha. As eleições presidenciais inspiram um hilário debate com figuras que lembram os candidatos reais. Esses e outros episódios, a exemplo do enredo patrocinado da Beija-Flor de Nilópolis e da derrocada de Eike Batista, pontuam o texto de Ana Velloso. Ela mesma está em cena, ao lado dos igualmente divertidos Cristiano Gualda, Cristiana Pompeo, Hugo Kerth, Édio Nunes e Wladimir Pinheiro (também diretor musical). A direção de Sergio Módena costura com habilidade os números, alguns naturalmente mais engraçados do que outros, encenados pelo elenco com recursos enxutos, mas eficientes em sua simplicidade. Defendido com correção, o roteiro musical inclui conhecidas canções brasileiras, a maior parte delas com letra modificada para efeito humorístico.
    Saiba mais
  • A caminho das duas décadas de carreira, que completará em 2016, o grupo paulistano Barbatuques encanta plateias de todas as idades com sua técnica peculiar. Primeira produção da trupe dedicada às crianças, o espetáculo Tumpá, baseado no CD homônimo lançado em 2012, ganha duas sessões no Teatro Sesc Ginástico, nas manhãs de sábado (1º) e domingo (2). Em cena, assobios, palmas e estalos de dedos se transformam em música e embalam cantigas infantis. Recursos inesperados, como o barulho da corda batendo no chão ou jogos tradicionais, a exemplo de adoleta, renovam clássicos do porte de Escravos de Jó, Sambalelê, Peixinhos do Mar e Marinheiro Só. Na apresentação, o público é convidado a aprender com os músicos. “Nossa intenção é fazer com que as crianças voltem para casa com um brinquedo novo”, explica o baterista Giba Alves, um dos fundadores do conjunto. Rec. a partir de 3 anos.
    Saiba mais
  • Bares variados

    Barviéra

    Avenida Armando Lombardi, 949, Barra Da Tijuca

    Tel: (21) 3251 7776

    Veja Rio
    Sem avaliação

    A empreitada na Barra variou o cardápio para atrair novos paladares. Levando o ecletismo ao extremo, passeia pelas cozinhas mexicana, australiana e japonesa. De quinze em quinze dias, entra em cena o pagode de estilo retrô, ao vivo, sem cobrança de couvert. Na hora da batucada, as atrações são o combo de vodca Smirnoff com seis latas de Red Bull (R$ 139,00), além de cerveja em garrafa de 600 mililitros, das marcas Heineken, Original (R$ 11,90 cada uma) e Amstel (R$ 10,90). A volta ao mundo na seção de comes inclui o combinado japonês let’s roll medium, com dezoito peças (R$ 30,90), e o nacho, costela desfiada com molho barbecue e cheddar à parte (R$ 32,00, para duas pessoas). A Austrália é representada pela costela suína ao molho barbecue, guarnecida de batata frita ou chips (R$ 54,90 para duas pessoas).

    Saiba mais
  • Centros culturais

    As Primeiras Cores do Rio
    Veja Rio
    Sem avaliação
    Primeiro método economicamente viável de obtenção de imagens em cores, o autocromo começou a ser comercializado pelos irmãos Louis e Auguste Lumière, pioneiros do cinema, na Europa em 1907. Apenas dois anos depois, paisagens do Rio já eram registradas pelo mesmo processo graças ao banqueiro e mecenas francês Albert Kahn, que mandou à época uma série de fotógrafos para diversas partes do mundo com o objetivo de documentar os mais variados aspectos da vida humana. Vinte dessas imagens preciosas, atribuídas a Auguste Léon, estão reunidas em mostra enxuta, mas de incontestável valor histórico, no CCBB. No caminho inverso das pinturas hiper-realistas, as fotografias por vezes enganam os olhos e se assemelham a telas algo nostálgicas. Como de hábito nesse tipo de exposição, as fotos propiciam a viagem ao passado de uma Rua Paissandu, no Flamengo, ainda repleta de casarões, e do Corcovado sem a estátua do Cristo Redentor.
    Saiba mais

Fonte: VEJA RIO