diversão

Cinco programas imperdíveis para o fim de semana

Confira a seleção especial de VEJA RIO para deixar seu fim de semana ainda mais animado

Por: Redação VEJA RIO

1 - Se divertir com o show Buraco da Lacraia Cabaré On Ice

Buraco da Lacraia
Lula (Luis Lobianco) e Dilma (Letícia Guimarães): alvos da chacota desenfreada (Foto: Divulgação)

Fenômeno da noite carioca, em cartaz por dois anos ininterruptos em uma boate gay da Lapa, o Buraco da Lacraia Dance Show ganhou continuação. Promete ser igualmente longa a segunda temporada da trupe formada por Luis Lobianco, Eber Inácio, Letícia Guimarães e Sidnei Oliveira (agora desfalcada de Patricia Pinho, que deixou o grupo). Comparada ao show anterior, a produção aqui se mostra aprimorada visualmente — sem perder em nada sua graça tosca. Mais importante, mantém-se o espírito anárquico da farra, uma indefinível (e hilariante) mistura de humor e música. Alguns dos números da primeira encenação foram mantidos. Um deles traz Inácio como uma impagável passista lutando (em vão) para evitar mostrar o que sua fantasia deveria esconder. Entre as novidades, sobra escracho para Xuxae as paquitas, Cauby Peixoto, a atriz Rosamaria Murtinho,Galinha Pintadinha, Gretchen e Disney. Em um dos melhores momentos, Lobianco, vestido de Lula, faz um dueto comum fantoche de Dilma, encarnado por Letícia, ao som de Hakuna Matata, do desenho O Rei Leão. 18 anos.

Buraco da Lacraia. Rua André Cavalcanti, 58, Lapa. Informações, ☎ 2224-8880 e 98847-7822. Sexta, a partir das 22h. R$ 40,00, até as 23h (entrada para o show com cerveja, caipirinha, água e refrigerante liberados e permanência na boate após o espetáculo). Após as 23h, R$ 45,00. Bilheteria: a partir das 22h. 

+ Confira mais atrações da noite carioca

2 - Apreciar as obras apreendidas pela Polícia Federal e doadas ao Museu de Belas Artes

Jorge Guinle Filho
Zumbido Zoantrópico (1982), óleo de Jorge Guinle Filho: uma das dezenove obras na coletiva (Foto: Nelson Jr./Divulgação)

Trazidas ilegalmente ao Brasil por compradores não identificados, as dezenove obras reunidas nesta coletiva poderiam estar hoje ocupando residências particulares. Em vez disso, apreendidas no Porto do Rio pela Polícia Federal, foram doadas à coleção do Museu Nacional de Belas Artes e integram Apreensões e Objetos do Desejo: Obras Doadas pela Receita Federal ao MNBA. Trata-se de uma notável seleção, recheada de nomes de ponta, a exemplo do italiano Michelangelo Pistoleto, do inglês Antony Gormley e dos brasileiros Cildo Meireles, Sérgio Camargo, Daniel Senise e Jorge Guinle Filho. Algumas das criações preenchem lacunas no acervo do MNBA. É o caso de Óleo e Madeira Pintado à Mão, acrílica sobre tela feita por Beatriz Milhazes nos anos 90 — a instituição só possui obras da artista produzidas na década anterior. O indiano Anish Kapoor comparece com um dos trabalhos mais convidativos da mostra, uma enorme concha espelhada em que o visitante se vê, ao mesmo tempo, de corpo inteiro e em detalhes estilhaçados.

Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 3299-0600, ↕ Cinelândia. → Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis em fevereiro. A partir de março, R$ 8,00 (pelo mesmo valor, o ingresso-família contempla até quatro parentes) e grátis aos domingos. Até o dia 29.     

+ Confira outras exposições em cartaz na cidade

3 - Se embalar ao som de Steve Hackett na Barra da Tijuca

Steve Hackett
Steve Hackett: lendário guitarrista toca no Rio (Foto: Divulgação)

Ainda empunhando a guitarra ao lado dos colegas do lendário Genesis, Steve Hackett apresentou-se no Rio pela primeira (e, até aqui, única) vez em 1977 — mesmo ano, aliás, em que deixaria a banda, referência do rock progressivo mundial, que já teve Peter Gabriel e Phil Collins entre seus integrantes. No domingo (8), o músico relembra aqueles bons tempos no Citibank Hall. Ao lado de Roger King (teclados), Gary O’Toole (bateria, percussão e vocais), Rob Townsend (sax, flauta e percussão), Lee Pomeroy (baixo) e Nad Sylvan (vocal), Hackett enfilera clássicos como Firth of Fifth e Horizons. 14 anos.

Citibank Hall (2 885 lugares). Avenida Ayrton Senna, 3000 (Shopping Via Parque), Barra. Informações, ☎ 0300 7896846 (9h/21h). Domingo (8), 20h. R$ 150,00 (cadeira lateral) a R$ 350,00 (camarote e cadeira vip). Bilheteria: 12h/20h (seg. a sáb.); a partir das 12h (dom.). Estac. (R$ 8,00). TF. www.citibankhall.com.br.

+ Veja os demais destaques de shows do Rio

4 - Pegar um cineminha com a comédia Superpai

Superpai
Tabet, Mello, Dani e Thogun: reunidos após vinte anos (Foto: Divulgação)

Embora o título sugira um filme para a família, o tom ácido e politicamente incorreto domina a comédia Superpai, segundo longa de Pedro Amorim (de Mato sem Cachorro). A narrativa ágil, boas piadas desbocadas e um protagonista de comportamento amoral indicam uma outra rota para o humor, muitas vezes careta, do cinema nacional popular. Explica-se: o roteiro original (nunca filmado) é americano, adaptado (e suavizado) para o “paladar” brasileiro. Danton Mello, cada vez melhor como comediante, interpreta Diogo, um tipo irresponsável, casado com Mariana (Mônica Iozzi) e pai de Luca (Lukas Brombini). Desempregado, o cara mata o tempo jogando pôquer e dá pouquíssima atenção ao filho. Quando a mulher precisa se ausentar uma noite para cuidar da mãe, Diogo fica responsável pelo moleque, justamente no dia em que haverá uma comemoração de vinte anos da formatura do colégio. Ele dá um jeito de despachar Luca e se manda para a festa, onde reencontra os colegas Nando (Thogun Teixeira) e César (Antonio Tabet), além da espevitada namoradeira Júlia (Dani Calabresa). Antigo amor de Diogo, Patrícia Ellen (Juliana Didone) está disposta a reviver a paixão lá mesmo. Rodado na capital paulista, o filme assume um clima de pesadelo urbano pela madrugada, com o quarteto de amigos à procura do pequeno Luca (há uma boa sacada sobre seu desaparecimento). Direção: Pedro Amorim (Brasil, 90min). 14 anos. Estreou em 26/2/2015.

+ Veja outros filmes em cartaz na cidade

5 - Conhecer o Soho Café, nova casa de lanches do Leblon

lipeborges_croque monsieur_soho café
Croque monsieur no pão integral: R$ 28,00 (Foto: Lipe Borges)

Inaugurado em dezembro, o Soho Café oferece pouso agradável no trecho hoje sem saída da Rua Almirante Pereira Guimarães, temporariamente obstruída pelas obras do metrô do Leblon. O projeto de Jairo de Sender, inspirado no badalado bairro de Nova York que batiza a casa, mistura estilos e muitos objetos decorativos de forma surpreendentemente harmoniosa. É possível acomodar-se em sofás, banquinhos diante de um balcão ou mesas de diferentes tamanhos na parte interna ou escolher o deque de madeira coberto por toldo vermelho do lado de fora. Sugestão aprovada, o croque monsieur, feito com pão integral, chegou saborosamente gratinado, ao lado de salada (R$ 28,00). Hit da ala doce, a torta churros custa R$ 15,00 a fatia. Opção etílica da carta de cafés, o mineirinho é feito com doce de leite, cachaça, duas doses de expresso e gelo (R$ 14,00). 

Rua Almirante Pereira Guimarães, 72, loja C, Leblon, ☎ 2540-8942 (18 lugares). 9h/20h (sáb. até 14h; fecha dom.). Cc: todos. Cd: todos. ④  ↔ Aberto em 2014.

+ Confira mais casas de comidinhas na cidade

Fonte: VEJA RIO