diversão

Cinco programas imperdíveis para o fim de semana

Confira a seleção especial de VEJA RIO para deixar seu fim de semana ainda mais animado

Por: Redação VEJA RIO

1 – Curtir o rock do Foo Fighters no Maracanã

Foo Fighters se apresenta no Rio dia 25 de janeiro
(Foto: Ringo)

Dave Grohl é considerado por muitos o sujeito mais legal do rock nos dias de hoje. Pode ser papo de fã, mas seu carisma é inegável. Ao vivo, o músico americano segue à risca a cartilha do roqueiro boa-praça: capricha nas piadas, nos pulinhos, nos solos e na gritaria. Há vinte anos, o ex-baterista do Nirvana encarna, muito à vontade, o papel de líder do Foo Fighters. Em 2001, no Rock in Rio, o grupo aqueceu o público para o R.E.M.

+ Veja os demais destaques de shows da cidade

Agora, a história é outra. No domingo (25), Dave (voz e guitarra), Taylor Hawkins (bateria e voz), Nate Mendel (baixo), Chris Shiflett e Pat Smear (guitarras) estrelam o primeiro show do novo Maracanã. No repertório, que costuma ter cerca de trinta músicas, espere por novidades como Something from Nothing, do disco Sonic Highways, lançado no ano passado. Para o auge estão reservados hits do porte de This Is a Call, Times Like These, Best of You e a pesada All My Life. Os Raimundos abrem a noite às 18h55, seguidos pelo indie rock inglês do Kaiser Chiefs, que vai defender os sucessos Ruby e I Predict a Riot. 16 anos. 

Maracanã (64 081 lugares). Rua Professor Eurico Rabelo, s/nº, Maracanã. Domingo (25), a partir das 17h. R$ 200,00 (cadeira superior nível 5) a R$ 600,00 (pista premium verde ou amarela). Bilheteria Citibank Hall (Avenida Ayrton Senna, 3000): 12h/20h. TF.

2 – Assistir ao musical Beatles num Céu de Diamantes

Beatles num céu de diamantes
Pedro, Sergio, Kacau, Estrela, Rodrigo, Marya e Malu: afinação (Foto: Leo Ladeira / Divulgação)

Na bem-sucedida carreira da dupla Charles Möeller e Claudio Botelho, este musical ocupa um lugar de destaque: levado ao palco em 2008, vem sendo encenado continuamente desde então. Em turnês pelo Brasil e no exterior, já foi visto por mais de 350 000 pessoas. Naturalmente, ao longo dos anos, o elenco passou por alterações, mas a atual montagem surge de fato repaginada, tanto no visual quanto no roteiro de canções, que teve supressões e acréscimos. O frescor do espetáculo, porém, é o mesmo da estreia, há sete anos. Em cena, dez excelentes atores-cantores e instrumentistas (Malu Rodrigues, Marya Bravo, Kacau Gomes, Estrela Blanco, Pedro Sol, Rodrigo Cirne, Sergio Dalcin, Jonas Hammar, Tony Lucchesi e Lui Coimbra) desfiam de forma dramatizada uma série de canções dos Beatles. No extenso roteiro cabem Help!, Hey Jude, Yellow Submarine e, uma das novas, Ticket to Ride, entre muitas outras. Não há absolutamente uma linha de diálogo, mas as músicas são dispostas em uma ordem que evoca de maneira onírica a ideia do amadurecimento — para quem conhece as letras em inglês, vale prestar atenção, mesmo que isso não seja em nada determinante para a fruição do espetáculo. No elenco perfeitamente entrosado, seria injusto nomear destaques individuais, mas o naipe feminino é especialmente arrepiante em cada nota (90min). 12 anos. Estreou em 8/1/2015.

Teatro do Leblon — Sala Marília Pêra (462 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2529-7700. → Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 80,00 a R$ 100,00. Bilheteria: a partir das 15h (qui. a dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Estac. (R$ 20,00, preço único). Até 1º de março.

+ Confira outras peças em cartaz na cidade

3 – Pegar um cineminha em família com Os Pinguins de Madagascar

os pinguins de madagascar
O quarteto emplumado: estrelas de cinema (Foto: Divulgação)

Assim como o Gato de Botas, de Shrek, e os Minions, de Meu Malvado Favorito, os pinguins da animação Madagascar ganharam seu próprio desenho. As aves marinhas surgiram como coadjuvantes no primeiro longa, de 2005, foram conquistando espaço maior nas duas continuações e até ganharam uma série de TV. A volta ao cinema se dá em grande estilo, com um roteiro repleto de tiradas muito divertidas e ação incessante, na medida para agradar a crianças e adultos. A trama volta rapidamente no tempo para mostrar como os adolescentes Capitão, Kowalski e Rico acolheram o bebê órfão Recruta desde que ele saiu do ovo. Na sequência, já adulto, o quarteto embarca para Veneza a fim de eliminar o maligno Octavius Brine. Por trás da aparência humana, esse geneticista é o polvo Dave, e suas péssimas intenções têm ligação com o passado dos protagonistas. Para ajudarem os pinguins a derrotar o vilão, obcecado em acabar com o mundo, entram em cena quatro personagens da organização secreta Vento Forte, especializada na proteção aos animais. Destaque no “elenco”, Capitão responde pelos melhores momentos de humor, devido à sua suposta inteligência. Direção: Eric Darnell e Simon J. Smith (Penguins of Madagascar, EUA, 2014, 92min). Livre. Estreou em 15/1/2015.

+ Confira mais filmes em cartaz na cidade

4 – Conferir as obras de Cristina Canale no Paço Imperial

cristina canale
Mix (2014): obra em técnica mista, uma das quinze no Paço (Foto: Reprodução)

Dividindo o Paço Imperial com retrospectivas de Waldemar Cordeiro, uma seleção de mais de 250 trabalhos, e Amelia Toledo, com sessenta criações, esta individual não deixa nada a dever em interesse, mesmo com apenas quinze obras. Integrante da histórica coletiva Como Vai Você, Geração 80?, que reuniu 123 artistas no Parque Lage em 1984, a carioca radicada em Berlim é um dos nomes relevantes daquele grupo. Com curadoria de Luisa Duarte, estão reunidos três óleos e doze trabalhos em técnica mista, estes com a forte presença da pintura, à qual Cristina se dedica com mais constância. Boa parte do acervo retrata ou sugere mulheres, invariavelmente misteriosas, com os traços faciais apagados, característica da produção da artista — como em Mix (2014), com uma figura feminina sentada sobre uma poltrona. Mesmo quando a mulher não aparece, a feminilidade é evocada em cores, estampas e formas arredondadas.Paço Imperial.

Praça XV de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2093. → Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 1º de março.

+ Confira outras exposições em cartaz na cidade

5 – Conhecer o Mestre Sala, novo bar de São Cristóvão

Mestre Sala
Passarinho carioca: releitura do Mestre Sala para o petisco clássico (Foto: Felipe Fittipaldi)

Profissional do mercado financeiro, Creso Augusto Rocha viu a aposentadoria chegar — e decidiu evitá-la. Inquieto, aos 66 anos ouviu falar sobre um ponto disponível em São Cristóvão e ali começou de novo, agora como dono de bar. Seu estabelecimento abriu as portas em outubro do ano passado. A varandinha é aprazível, mas não nestes dias de calor acima dos 40 graus. É mais prudente aproveitar o ar-condicionado do salão enfeitado por grafite do cultuado artista urbano carioca Fábio Ema. Em referência ao nome da casa, o samba dita a trilha sonora. Acomodado, peça logo um casco bem gelado de Antarctica Original (R$ 9,00; 600 mililitros). Variação em torno da caipirinha, a saborosa brasileirinha reúne laranja, limão e cachaça Salinas e custa módicos R$ 9,00. Resolvidos os bebes, explore o criativo cardápio de petiscos elaborado por Diogo Brasil, chef com passagens pela cozinha do resort Club Med e do restaurante Nomangue. O tradicional frango à passarinho ganhou bossa e novo nome: passarinho carioca (R$ 28,90). Nacos da ave chegam à mesa empanados em saborosa crosta de biscoito Globo e ladeados por molho de mate com limão, em uma brincadeira bem-sucedida com a típica combinação praiana. Outro acerto foi a coxinha de feijoada (R$ 23,50, quatro unidades), alternativa ao bolinho que está por toda parte. Pimenta e molho de goiabada cascão acompanham o salgado. Na hora do almoço, um menu executivo varia a cada dia.

Rua Fonseca Teles, 29, São Cristóvão, ☎ 2143-2518 (62 lugares). 12h/21h (qui. e sex. até as 23h; dom. até as 17h). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2014. www.barerestaurantemestresala.com.br

+ Saiba mais novidades sobre os bares do Rio

Fonte: VEJA RIO