TRÊS PERGUNTAS...

...Marcos Caruso

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

roteiro-teatro-3p.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O autor e intérprete de sucessos como Trair e Coçar, É Só Começar e Sua Excelência, o Candidato tem uma trajetória bastante associada à comédia. A partir de sexta (23), no Teatro Maison de France, ele faz nova investida fora do gênero, após seu elogiado desempenho no drama As Pontes de Madison. Desta vez, vai contracenar com Emílio de Mello no suspense Em Nome do Jogo, do americano Anthony Shaffer. Na semana seguinte, volta à TV como o suburbano Leleco, na novela Avenida Brasil, da Rede Globo. Entre um trabalho e outro, Marcos Caruso celebra duas datas importantes em sua trajetória.

Pronto para dar duro ao mesmo tempo no teatro e na TV?

Completei 60 anos em fevereiro e em maio festejo quatro décadas de carreira. Portanto, 2012 é um ano importante para mim. E também é importante por causa desses dois desafios profissionais. É a primeira vez que faço esse tipo de teatro, distante da tradição brasileira de comédia, drama e tragédia. Na nossa montagem, há a preocupação de levar ao público boas interpretações, porque o texto oferece uma grande oportunidade ao espectador de exercitar sua inteligência enquanto se diverte.

A trama de Em Nome do Jogo vai exigir mais da plateia?

O público não fica parado na poltrona, porque os dois personagens estão o tempo todo a serviço do jogo. O Wike descobre que a mulher, Marguerite, tem um caso com o cabeleireiro Milo (Emílio). Quando a esposa viaja, ele convida o rival para uma visita e o convence a roubar as joias da amante e vendê-las a um receptador por 6 milhões de libras. Ele pretendia denunciar toda a tramoia à polícia, mas Milo dá um golpe que desarma Wike. Estamos levando a plateia a acreditar que esse jogo será vencido por um, mas há muitas reviravoltas.

Pode-se esperar um personagem mais simples na novela?

É a primeira vez que interpreto um homem do subúrbio, que não é necessariamente simples. Ele é o Leleco, pai do jogador de futebol Tufão (Murilo Benício), mas é metido a garotão, usa camiseta regata e acaba namorando uma garota de 20 anos. Ele joga sinuca, dança charme e luta boxe. Para encarnar o papel estou tendo de fazer musculação, tomar sol, aprender passos de dança e frequentar aulas de boxe.

Fonte: VEJA RIO