3 PERGUNTAS

Para Júlia Rabello

Em cartaz com a comédia Atreva-se, a atriz do grupo Porta dos Fundos agora se prepara para estrear no cinema

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

Claudia Ellias / divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Como é ser dirigida pelo Jô Soares em Atreva-se? O Jô é fantástico. Primeiro senti aquele encantamento por trabalhar com uma figura mítica. Depois, eu me apaixonei pelo diretor dedicado e entusiasmado. Pude ver de perto um gênio trabalhando. E chamá-lo de gênio não é um elogio, é uma constatação. O processo do Jô é muito interessante. Sua alegria, a inteligência e a comunicação são as molas mestras do percurso. É muito bonito ver alguém da grandeza dele interessado em aprender com o outro.

Você está com dois projetos em andamento no cinema: um filme com a Heloísa Périssé e o longa do Porta dos Fundos, coletivo de humor na internet. Em que pé está cada um deles? O primeiro se chama Odeio o Dia dos Namorados. Será lançado no início de junho, e a protagonista é a Heloísa. É uma comédia com o toque de Midas do Roberto Santucci (diretor de sucessos de bilheteria como De Pernas pro Ar 1 e 2 e Até que a Sorte nos Separe). A minha personagem é a Gilda, que tem uma relação de ódio com a sua chefe, interpretada pela Heloísa. Eu já era fã da Heloísa, sabia da grande atriz que ela é, mas descobri que ela é uma profissional maravilhosa para trabalhar junto. Já o filme do Porta dos Fundos ainda está na fase de elaboração do roteiro. Não tenho muitos detalhes, mas tenho certeza de que vou me divertir bastante.

A propósito do Porta dos Fundos: o vídeo Sobre a Mesa, no qual você fala as maiores barbaridades sexuais para o personagem do marido, é o segundo mais acessado do canal. A que se deve esse sucesso? Eu me surpreendi com a repercussão, não sei dizer exatamente o porquê desse sucesso. Acho que pode ser pelo fato de não se verem mulheres verbalizando essas possibilidades sexuais. A gravação foi divertida. Eu ria muito com aqueles absurdos!

Fonte: VEJA RIO