RIO ANTIGO

Obras de Debret são reunidas nos Correios

Pertencentes à Coleção Castro Maya, 120 trabalhos do artista francês mostram o Rio em meados do século XIX

Por: Rafael Teixeira

Debret
Cena urbana retratada por Debret em 1821: o artista integrou a Missão Artística Francesa (Foto: Reprodução)

Integrante da Missão Artística Francesa, movimento que revolucionou o panorama das belas-artes no Brasil no início do século XIX, Jean-Baptiste Debret (1768-1848) fez história ao registrar, com talento e minúcia, personagens e cenas do Brasil — notadamente do Rio, onde residiu entre 1816 e 1831. Paisagens, cenas urbanas, costumes sociais e transformações naquele período, tais como vistos pelo artista, estão em O Rio de Janeiro de Debret, em cartaz a partir de quinta (5) no Centro Cultural Correios. Com 120 obras pertencentes à Coleção Castro Maya (que reúne mais de 500 trabalhos de Debret, entre aquarelas e desenhos), a exposição engrossa a lista de comemorações pelos 450 anos da cidade. Parte significativa das imagens retrata questões oriundas da polarização entre homens livres e escravos no país, tema caro ao artista. Em uma aquarela, por exemplo, vê-se uma senhora indo à missa em sua cadeira carregada por homens negros. Outro trabalho, de aparente simplicidade, exibe um rico registro da época: reúne no mesmo quadro uma loja de barbeiro, profissional então dedicado a variadas funções, um amolador de facas e uma vendedora de tabuleiro na mão.

Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 3 de maio. A partir de quinta (5).    

+ Confira outras exposições em cartaz na cidade

Fonte: VEJA RIO