respeitável público

Lugares do Rio para entrar no clima do circo

Um roteiro com locais onde aprender e praticar as diferentes atividades exibidas no picadeiro

Por: Thaís Meinicke - Atualizado em

Comemorado nesta sexta (27), o Dia Nacional do Circo foi criado em homenagem ao palhaço Piolim (Abelardo Pinto), que comandou o circo de mesmo nome por mais de 30 anos e é considerado o maior expoente do circo brasileiro. A data foi escolhida em razão de seu nascimento, no ano de 1897. O palhaço chegou a ser homenageado por grandes intelectuais - como Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Anita Malfati - na Semana de Arte Moderna de 1922, por ser o maior artista popular brasileiro. Hoje em dia, muitos pensam que a arte circense pode estar caindo no ostracismo, mas há diversos espaços na cidade que trabalham com o objetivo de manter viva a tradição dos picadeiros. Entre eles, estão circos-escola, grupos artísticos e até academias, que incorporaram as modalidades entre as atividades oferecidas. Confira o roteiro preparado por VEJA RIO em homenagem à data e faça parte também da alegria dos picadeiros.

+ Atrações circenses animam a cidade

+ Com provas duras e concorridas, a Escola Nacional de Circo atrai jovens que buscam o futuro no picadeiro

ESCOLA NACIONAL DE CIRCO

frazao.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Única instituição de ensino diretamente mantida pelo Ministério da Cultura, a Escola Nacional de Circo (ENC) realiza cursos regulares de formação e reciclagem de artistas. Além dos equipamentos para aulas de acrobacias, malabares, trapézio e outras atividades, o espaço possui ainda salas de aula, de dança, auditório, musculação, fisioterapia, refeitório e oficina para confecção e conserto de aparelhos.

Há diferentes formatos de curso: o curso básico, para brasileiros com idade entre 18 e 25 anos, com duração de dez meses e admissão por meio de vídeo e provas físicas; o curso técnico, para alunos a partir de 14 anos, com duração de três anos e meio e admissão por meio de concurso público (com provas práticas e escritas); curso de reciclagem, com duração de três meses, para aperfeiçoamento de artistas circenses e admissão por meio de exame físico; ou cursos de extensão, com duração máxima de três meses, para ensinamentos básicos, em que a admissão não precisa de prova física.

Com uma ampla formação de artistas circenses, as aulas da escola são divididas em diferentes áreas:

- Técnicas de Manipulação: malabares, laço, bastão do diabo/bastão chinês, diabolô etc.

- Técnicas de Acrobacias Aéreas: trapézio, quadrante, bambu, corda, passeio aéreo, tecidos, argolas, liras, faixas ou tiras.

- Técnicas de Acrobacia: antipodismo, solo, contorção, aros chineses, escadas, cadeiras, macas russas, barras russas, báscula, mini-tramp, trampolim acrobático, dândis, adágio etc.

- Equilíbrio: Paradas, bola, cadeiras, perna-de-pau, monociclo, rola-rola, arame, patinação, entre outros.

- Técnicas Especiais: Pirofagia, força capilar e dental, comicidade, entre outros.

Praça da Bandeira, 4. Todos os cursos são gratuitos. Mais informações pelo telefone, 2504-5496, através do e-mail circo.funarte@gmail.com ou no site www.funarte.gov.br

INTRÉPIDA TRUPE

intrepida.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Criado em 1986, o grupo carioca foi um dos responsáveis por revolucionar o Circo no Brasil, com espetáculos que mesclam circo, teatro e dança a música, efeitos especiais e linguagem multimídia. Já fez temporadas na Europa e na América e, entre suas técnicas, se destacam a acrobacia com uso de diferentes equipamentos, como trapézios, tecidos, elásticos, cordas indianas, alpinismo. Há ainda efeitos de fogo e perna de pau. Os artistas realizam diferentes oficinas , tanto para adultos quando para crianças, no espaço que o grupo ocupa na Fundição Progresso, na Lapa. Confira:

Movimento Consciente - Dança Contemporânea: Com aulas da professora Flora Mariah, o curso se propõe a desenvolver um trabalho de conscientização e apropriação do corpo através do movimento. Entre as técnicas, são praticados deslocamentos no chão, transferências de peso, alavancas e espirais, quedas e suspensões, improvisações e mais. Terças e quintas, 11h30 às 13h.

Técnica e Criação em Acrobacia Aérea: A oficina é voltada para o treinamento das técnicas de trapézio, tecido e lira, com prática em aparelhos aéreos. Segundas e quartas, 19h30 às 21h30.

Dinâmica Vertical: Na aula, o professor Phelipe Young trabalha atividades de acrobacias de solo, com saltos, paradas de mãos e outros exercícios. Terças e quintas, 19h30 às 21h30.

Laboratório de Corpo Aéreo: A aula propõe diversos caminhos para a experimentação do espaço aéreo. Além dos aparelhos clássicos - como trapézio, tecido e lira - há ainda a experimentação em outros objetos que possibilitem inusitadas propostas de prática aérea. Segundas e quartas, 9h às 11h.

Fluxo Aéreo - Treinamento Físico e Criativo no Tecido: A aula une técnicas de acrobacia aérea com o fluxo da dança e improviso, estimulando novas maneiras de se relacionar com o tecido acrobático. Segundas e quartas, 19h30 às 21h30; terças e quintas, 8h30 às 10h30.

A Cobra na Bacia - Acrobacia para crianças e adolescentes: O nome da oficina é uma brincadeira com a palavra acrobacia. O projeto, criado em 1996, tem a intenção de partilhar com crianças e adolescentes a experiência de linguagem da Intrépida Trupe. As aulas de linguagem circense têm o objetivo de construir, através da prática acrobática, um diálogo corporal criativo e cênico com os alunos. Terças e quintas, 8h30 às 10h30, e 17h às 19h.

Fundição Progresso. Rua dos Arcos, 24, Lapa, Espaço Intrépida Trupe (Espaço 9). Todos os cursos têm mensalidade de R$ 250 (mais R$ 60 de taxa de matrícula) Mais informações pelos telefones 2220-1977 e 98225-6769, pelo e-mail aulas@intrepidatrupe.com ou nos site www.intrepidatrupe.com.br e www.fundicaoprogresso.com.br

ESCOLA LIVRE DE PALHAÇOS

eslipa.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Uma iniciativa do Grupo Off-Sina, a escola de palhaços traz uma metodologia fundamentada na construção colaborativa de novos conhecimentos e troca de saberes, tendo como foco a qualificação, aperfeiçoamento e formação de artistas que já desenvolvem trabalho continuado de palhaço. Este ano, as aulas acontecem na Escola Nacional de Circo. Os alunos são admitidos por meio de processo seletivo e participam de oito módulos, um por mês, de março a outubro. Entre as atividades, estão oficinas de palhaço, corpo, canto, percussão, acordeom, magia cômica, mímica, quedas e cascatas, manipulação de objetos, história do circo e palavra em verso.

Escola Nacional de Circo. Praça da Bandeira, 4. O curso é gratuito. Mais informações através do e-mail offsina@riguetti.com.br ou no blog www.offsina.blogspot.com.br

TEATRO DE ANÔNIMO

teatro-anonimo.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Fundado em 1986, o grupo foi criado por um grupo de amigos de escola do subúrbio carioca. Especializado no teatro de rua, com ênfase em acrobacia aérea e números de palhaços, o grupo utiliza a técnica circense aliada a uma linguagem popular. Entre as atividades oferecidas, há uma oficina permanente de acrobacia aérea, que acontece no pavilhão do grupo na Fundição Progresso, na Lapa. Outros cursos também são promovidos de forma esporádica, como Assunto de Palhaço e Circo, Teatro, Atuação.

Oficina de Acrobacia Aérea: As aulas têm por objetivo o desenvolvimento do potencial físico e artístico de cada indivíduo através do contato com os aparelhos (trapézio, corda, tecido, bambu e lira), até chegar ao improviso. A oficina serve para pessoas com ou sem interesse em uma formação profissional. Segundas e quartas, 19h às 21h; terças e quintas, 9h30 às 11h30.

Fundição Progresso. Rua dos Arcos, 24, Lapa, Pavilhão Teatro de Anônimo (Espaço 1). As mensalidades custam R$ 180 (mais R$ 30 de taxa de matrícula). Mais informações pelo telefone 2240-0930, através do e-mail anonimo@teatrodeanonimo.com.br, ou nos sites www.teatrodeanonimo.com.br e www.fundicaoprogresso.com.br

CIRCO CRESCER E VIVER

crescer-viver.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Criado no ano 2000, o circo desenvolve ações nos campos de formação, produção, difusão e fruição das artes circenses. As atividades são divididas em três projetos: o Programa de Circo Social, o Programa de Formação do Artista de Circo (PROFAC) e as Oficinas Livres.

Programa de Circo Social: Destinado a participantes de 7 a 24 anos - com prioridade para crianças, adolescentes e jovens estudantes da rede pública de ensino. Os participantes são distribuídos em trupes, de acordo com as suas faixas etárias, e, em um sistema de rodízios, participam de aulas das mais variadas técnicas e habilidades circenses integradas a outras linguagens artísticas e culturais. Terças e quintas, 14h às 17h; sábados, 9h às 12h. Grátis.

Programa de Formação do Artista de Circo: Para participantes de 14 a 24 anos, o curso tem o objetivo de promover a formação completa para os novos artistas de circo. Durante três anos, os alunos realizam atividades de preparação física, dança contemporânea, técnica circense (acrobacias de solo e aéreas, malabares e equilíbrio), interpretação, prática e montagem cênica, além de disciplinas teóricas. A admissão é feita através de processo seletivo com entrevistas psicossociais e avaliações de aptidão física e artística. Segunda à sexta, 8h às 12h15. Grátis.

Oficinas Livres: Através das oficinas, diferentes públicos encontram a oportunidade de vivenciar, experimentar e estabelecer o contato com as artes circenses. Alunos do curso de formação também podem aproveitar os worshops para aprimorar sua técnica em determinadas modalidades. No momento, há inscrições abertas para a Oficina de Clown, com o artista espanhol Iván Prado, que tem a proposta de trabalhar o ridículo como material criativo, através de exercícios corporais e de interpretação e improviso. Datas e preços a definir.

Rua Carmo Neto, 143, Cidade Nova (em frente à estação Praça Onze do metrô). Informações pelo telefone 3972-1391, através do e-mail comunicacao@crescereviver.org.br e pelo site www.crescereviver.org.br

ACADEMIAS

sport-center.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Algumas academias do Rio também oferecem, entre suas atividades, aulas de modalidades circenses. Elas são boas opções para quem tem interesse em aprender as técnicas do circo sem imergir tão profundamente no universo do picadeiro. Confira algumas:

Rio Sport

A academia oferece aulas de Acrobacia Aérea em Tecido desde 2008 e, a cada ano, cresce a procura pela modalidade. O professor Júnior Paixão ensinas técnicas de acrobacias em tecido e realiza atividades complementares no chão, com técnica de ginástica artística, dança, teatro, ioga, entre outras. Às sextas, há ainda aulas de trapézio fixo. A atividade pode ser praticada por alunos a partir dos 5 anos de idade.

Avenida Ayrton Senna, 2541, Barra da Tijuca. Mais informações pelo telefone 3325-6644 ou no site www.riosportcenter.com.br

Cia. Athletica

As aulas de circo da academia promovem técnicas de tecido, trapézio, lira, malabares e alongamento. A atividade tem como objetivo fazer com que o aluno melhore coordenação motora, flexibilidade, força, lateralidade e equilíbrio, além de socializar e fazer amigos. Destinada a alunos entre 7 e 14 anos.

Avenida das Américas, 5000, New York City Center, Barra da Tijuca. Informações pelo telefone 3505-0000 ou no site www.ciaathletica.com.br

Fonte: VEJA RIO