CRIANÇAS

Aventura no fundo do mar

A Viagem de Clarinha, de Maria Clara Machado, ganha adaptação para o palco dirigida por Cacá Mourthé

Por: Bruna Talarico - Atualizado em

Guga Melgar
(Foto: Redação Veja rio)

Fundadora do teatro-escola O Tablado, inesquecível autora de peças e livros infantis, Maria Clara Machado (1921-2001) escreveu A Viagem de Clarinha, em 1970, inspirada por uma espevitada sobrinha. Essa menina cresceu, tornou-se herdeira artística da tia e hoje é conhecida por outro apelido. Cacá Mourthé, a garotinha da história, dirige, ao lado de Symone Strobel, a adaptação do texto para o palco que estreia na quinta (17), no Galpão das Artes do Espaço Tom Jobim.

Com a maestria habitual, a autora aborda na trama a transição entre infância e adolescência. Em uma viagem de barquinho de papel dentro de sua banheira, a pequena Clara (Valentina Bandeira e Rachel Rennhack dividem o papel juntas em cena) é sugada pelo ralo e vai parar em uma ilha no meio do oceano. Ao longo da aventura, ela enfrenta desafios como tempestades e ondas gigantes, além da destruição do barquinho e do encontro com seres marítimos. Esses percalços, logo se vai notar, são metáforas para o enfrentamento de medos e a tomada de decisões que pavimentam o caminho do amadurecimento.

O cenário de Ronald Teixeira exibe três ambientes: o banheiro da menina, a enorme tubulação transparente que vai levá-la até o oceano e o fundo do mar, composto de tecido e tela transparentes envolvendo a protagonista e os animais marinhos. Bonecos de variados tipos e tamanhos, criados por Alexandre Guimarães, são manipulados em cena. Os maiores, de 3,20 metros, representam o trovão e a ventania. Primeira produção do Tablado realizada fora da instituição, o espetáculo tem trilha de Daniel Belquer. Sete atores e três músicos interpretam as canções ao vivo. Curiosidade: a história de Maria Clara lembra, e muito, a de Oceano, peça de 2008 encenada pela trupe paulista Circo Roda Brasil.

A Viagem de Clarinha (60min). Rec. a partir de 3 anos. Galpão das Artes do Espaço Tom Jobim (100 pessoas). Rua Jardim Botânico, 1008, Jardim Botânico, ☎ 2274-7012. Quinta a domingo, 11h e 17h30. Grátis (qui. e sex.). Distribuição de senhas uma hora antes. R$ 40,00 (sáb. e dom.). Bilheteria: a partir das 10h (qui. a dom.). Até 3 de fevereiro. Estreia prevista para quinta (17).

Fonte: VEJA RIO