CRIANÇAS

Teatro Infantil

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

AI!!! O GRITO DE CARNAVAL DOS IRMÃOS BROTHERS, de Fábio Florentino. O espetáculo é dividido em duas partes: a primeira é o musical Ai!!! O Grito de Carnaval dos Irmãos Brothers, que conta a história do Carnaval por meio de marchinhas e números circenses. Depois, a trupe comanda um baile para os pequenos foliões. O repertório inclui marchinhas autorais, além de clássicos apresentados na primeira parte, como Chiquita Bacana e Cidade Maravilhosa. É possível curtir os dois momentos do programa ou chegar mais tarde e se divertir apenas no baile. Direção de Alberto Magalhães (45min de espetáculo e 45min de baile). Livre. Estreou em 21/1/2012. Centro de Referência Cultura Infância ? Teatro do Jockey (150 lugares). Rua Bartolomeu Mitre, 1110, Gávea, ☎ 3114-1286. Sábado e domingo, 17h30 (espetáculo) e 18h15 (baile). R$ 25,00 (espetáculo e baile) e R$ 15,00 (só baile). Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). Estac. na Rua Mário Ribeiro, 410 (grátis). Até 26 de fevereiro.

ALADIM, de Claudio Figueira. Prolífico autor, diretor e coreógrafo de musicais infantis ? são dele espetáculos como Festa na Floresta, Loja de Brinquedos e No Fundo do Mar ?, Figueira investe aqui em uma adaptação da história de As Mil e Uma Noites. Na trama, Aladim (Thadeu Torres) descobre uma antiga lâmpada dentro da qual vive o gênio (Marcelo Torreão) que vai lhe realizar três desejos ? um deles é ser transformado em nobre, para que ele possa se casar com a princesa Jasmine (Daniele Falcone). Enquanto isso, o rapaz se vê às voltas com as maquinações do vilão Jafar (Gabriel Titan). Direção do autor e de Carlos Arthur Thiré (55min). Livre. Estreou em 28/1/2012. Teatro Vannucci (400 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea), Gávea, ☎ 2274-7246. Sábado e domingo, 18h30. R$ 60,00. Bilheteria: a partir das 14h30 (sáb. e dom.). IC. Estac. (R$ 6,00 por duas horas). Até 27 de maio.

AS AVENTURAS DE PINÓQUIO, adaptação de Marcelo de Barros. O clássico de Carlo Collodi, imortalizado no cinema com a animação dos estúdios Disney, ganha aqui uma versão musical. Como no original, o velho marceneiro Gepeto (Silvio Matos) constrói um boneco (Adriano Soares) que ganha vida pelas mãos de uma fada. Seu sonho, porém, é virar um menino de carne e osso. Até realizar seu desejo, ele vai viver diversas aventuras. As músicas, compostas para a peça, passeiam por vários gêneros brasileiros, além de reggae, funk e rock. Direção do autor (70min). Livre. Reestreou em 14/1/2012. Teatro Maria Clara Machado (124 lugares). Avenida Padre Leonel Franca, 240 (Planetário da Gávea), Gávea, ☎ 2274-7722. → Sábado e domingo, 17h. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). Estac. (R$ 10,00). Até domingo (12).

✪✪✪✪ A BORRALHEIRA, UMA OPERETA BRASILEIRA, de Vanessa Dantas. Inspirada no conto Cinderela, a ópera La Cenerentola, de Rossini, serve de base para este esmerado musical. Aqui, a história é transferida para o sertão de Minas Gerais, evocado nas falas, nas letras das músicas (todas cantadas e tocadas ao vivo) e na estética do grandioso cenário, que remete a artistas como Aleijadinho e Mestre Ataíde. Humilhada pelo padrasto (Marino Rocha) e por suas filhas (Vanessa Dantas e Anna Bello), a bela Angelina (Julia Gorman) vê sua vida mudar com a chegada de um príncipe (Danilo Timm). Os arranjos de Wladimir Pinheiro (também um dos destaques do ótimo elenco) preservam as melodias de Rossini enquanto flertam com ritmos regionais. Direção de Fabianna de Mello Souza (60min). Livre. Estreou em 21/1/2012. Teatro Oi Casa Grande (926 lugares). Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, Leblon, ☎ 2511-0800. Sábado e domingo, 15h. R$ 60,00. Bilheteria: a partir das 12h (sáb. e dom.). IC. Até 4 de março.

BRINCANDO DE ERA UMA VEZ, de Neide Lira. Encenado pela primeira vez em 1989, o musical tinha no elenco a então iniciante atriz Deborah Secco. É dela a voz em off que abre a nova montagem, lendo uma carta endereçada aos protagonistas, os irmãos Carlos (Ramon Costa) e Clara (Hannah Zeitoune). Os dois se veem entediados porque a mãe insiste em manter o quarto de brinquedos sem bagunça. A calma, porém, é interrompida quando um boneco de palhaço ganha vida e os leva para uma viagem ao Mundo do Era uma Vez. Direção de Gustavo Barchilon (65min). Livre. Estreou em 14/1/2012. Teatro Fashion Mall ? Sala 1 (470 lugares). Estrada da Gávea, 899, São Conrado, ☎ 2422-9800. → Sábado, 17h; domingo, 16h. R$ 40,00. Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). Cc: M e V. Cd: M e V. Estac. (R$ 8,00 por duas horas). Até 25 de março.

✪✪✪✪ CHAGALL, de Eduardo Rieche. Compor um retrato da juventude do pintor Marc Chagall é a proposta deste belo espetáculo, protagonizado por João Velho (do premiado Joaquim e as Estrelas). No bom texto, escrito a partir do argumento de Doris Rollemberg (também responsável pela cenografia), a vida do artista é apresentada da infância até o momento em que seu trabalho começa a ser reconhecido. O visual é um dos grandes acertos da montagem: em vez de serem mostradas em sua totalidade, as obras de Chagall são evocadas nos coloridos figurinos, em adereços cênicos ou em projeções de partes dos quadros. Figuras recorrentes em suas pinturas, como o judeu peregrino, a noiva e o violinista, também ganham vida na pele de atores entrosados. Direção de João Batista (60min). Livre. Estreou em 7/1/2012. Centro Cultural Banco do Brasil ? Teatro II (155 lugares). Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Sábado e domingo, 16h. R$ 6,00. Bilheteria: 9h/21h (ter. a sex.); a partir das 10h (sáb. e dom.). Até 18 de março.

CINDERELLA ? UM SONHO EM VENEZA, de Pedro Murad. Onze atores-cantores interpretam a história da Gata Borralheira. Aqui, o texto se vale de uma série de liberdades ? a principal delas é a curiosa presença de Leonardo da Vinci (Diogo Venturieri Barra) na trama. Incumbido de pintar o retrato de uma mulher, ele escolhe a humilde Cinderella (Kathellen Couto). Aos poucos, o público vai recebendo pistas de que o trabalho resultará na obra mais famosa do pintor. Enquanto isso, a jovem conta a sua história, com intervenções dos outros personagens retratados pelo gênio renascentista, que ganham vida e saem dos quadros. Direção de Gabriel Cortez e Bruno Macedo (65min). Reestreou em 7/1/2012. Teatro Miguel Falabella (456 lugares). Avenida Dom Helder Câmara, 5332 (NorteShopping), Cachambi, ☎ 2595-8245. Sábado e domingo, 16h. R$ 30,00. Bilheteria: 14h/21h (ter. a dom.). Estac. (R$ 4,50 por quatro horas). Até domingo (12).

✪✪✪ GALINHA PINTADINHA, O MUSICAL, de Marcos Luporini e Juliano Prado. Os autores são também os criadores da animação Galinha Pintadinha, postada no YouTube no fim de 2006. Seis meses e meio milhão de visualizações depois, o vídeo começou a se desdobrar em uma bem-sucedida série de DVDs com vários desenhos embalados por canções infantis populares. Nesta bem cuidada produção, os personagens das animações ganham vida interpretados por atores fantasiados. Ao longo de doze números musicais cantados ao vivo, sobem ao palco figuras conhecidas das crianças, como o Galo Carijó, a Baratinha e sua banda de rock, as Borboletinhas cozinheiras e, claro, a Galinha Pintadinha. Direção de Ernesto Piccolo (45min). Livre. Estreou em 7/1/2012. Teatro das Artes (457 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea), Gávea, ☎ 2540-6004. Sábado e domingo, 15h e 17h. R$ 70,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. e dom.). Cc: M e V. Cd: R e V. IC. Estac. (R$ 6,00 por duas horas). Até 1º de julho.

✪✪✪ O GATO DE BOTAS ? O MUSICAL, adaptação de Walter Daguerre. Baseada no conto de Charles Perrault, a peça narra a história de um moleiro, dono de um moinho, um burro e um gato. Ao dividir sua herança, ele dá o felino (Chris Penna) ao caçula (Ronaldo Dal?Bianco). A princípio descontente, o herdeiro logo percebe que o bichano vai lhe proporcionar boas realizações, incluindo a conquista do amor de uma bela princesa (Andrea Veiga). No divertido elenco, o destaque é a atuação de Penna, muito à vontade nos trejeitos de um gato. Chamam atenção os bonitos figurinos de Karlla de Luca, responsável ainda pela cenografia lúdica, composta de caixas que lembram blocos de montar. Embalam a montagem temas criados para o espetáculo e cantados ao vivo, além de obras de autores eruditos, como Bach. Direção de Daniel Dias da Silva (60min). Livre. Estreou em 14/1/2012. Tea­tro Fashion Mall ? Sala 2 (250 lugares). Estrada da Gávea, 899, São Conrado, ☎ 2422-9800. → Sábado e domingo, 16h. R$ 40,00. Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). Cc: M e V. Cd: M e V. Estac. (R$ 8,00 por duas horas). Até 26 de fevereiro.

✪✪✪✪✪ O MENINO QUE VENDIA PALAVRAS, adaptação de Pedro Brício. Inspirado no premiado livro de Ignácio de Loyola Brandão, o espetáculo é uma aventura sobre a descoberta das palavras. Na trama, Vado (Pablo Sanábio) sempre recorre ao pai (Eduardo Moscovis), dono de uma enorme biblioteca, quando os amigos querem saber o significado de uma palavra. É aí que ele tem a ideia de trocar essas informações por algo de valor. O ótimo elenco é completado por Letícia Colin, Renato Linhares, Luciana Fróes e Raquel Rocha. A montagem lúdica estimula a imaginação da plateia ? contando para isso com figurinos coloridos e cenografia composta de objetos infláveis e projeções, além da direção musical de Pedro Sá e Domenico Lancellotti. Direção de Cristina Moura (60min). Livre. Estreou em 14/1/2012. Teatro dos Quatro (402 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea), Gávea, ☎ 2540-6004. Sábado e domingo, 17h. R$ 50,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. e dom.). IC. Estac. (R$ 6,00 por duas horas). Até domingo (12).

PETER PAN, de Marcello Caridade. Baseado na obra de J.M. Barrie (1860-1937), o autor conta a história do menino que não queria crescer (vivido por Marcio Sant?anna). Ao lado dele, os irmãos Wendy (Bianca Bühring), João (Bruno Souza) e Miguel (Vitor Brasil) vivem uma série de aventuras e aprendem a vencer seus medos na Terra do Nunca. Canções com pegada pop embalam o espetáculo. Como na história original, os personagens alçam voo no palco, com a ajuda de efeitos especiais. Direção do autor (60min). Livre. Estreou em 14/1/2012. Teatro do Leblon ? Sala Marília Pêra (462 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2529-7700. Sábado e domingo, 17h. R$ 40,00. Bilheteria: 15h/21h (ter. a dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Até domingo (12).

✪✪ PORQUINHOS ? O MUSICAL, adaptação de Dharck Tavares. No palco, os suí­nos Cícero, Heitor e Prático dão lugar a duas porquinhas (Rosa, vivida por Evelyn Castro, e Kika, por Érika Thomas) e um porquinho (Pietro, interpretado por Rodrigo Fernando). Como na história original, os bichos se veem às voltas com a ameaça do Lobo Mau (Raí Valadão). Com números ao vivo, a peça não faz feio musicalmente. O que destoa aqui é o texto, indeciso entre a fidelidade ao clássico e liberdades meio despropositadas, como uma Chapeuzinho Vermelho (Rayssa Bentes) perdida em cena. Direção de Luis Fernando Bruno e Leandro Bispo (50min). Livre. Reestreou em 5/1/2012. Teatro Miguel Falabella (456 lugares). Avenida Dom Helder Câmara, 5332 (NorteShopping), Cachambi, ☎ 2595-8245. Quinta e sexta, 16h. R$ 30,00. Bilheteria: 14h/21h (ter. a dom.). Estac. (R$ 4,50 por quatro horas). Até 24 de fevereiro.

✪✪✪ A PRINCESA E O SAPO, adaptação de Anderson de Oliveira. Baseado no conto dos irmãos Grimm, o autor transporta o texto original para o sertão nordestino. Em cena, o autor, vestido de cangaceiro, faz as vezes de narrador da peça, escoltado por dois músicos. Embalado pelo som de violão e instrumentos de percussão, o elenco canta ao vivo sucessos regionais que mais parecem ter sido compostos para a encenação. Canções como Isso Aqui Tá Bom Demais (Dominguinhos e Nando Cordel) e Coração Bobo (Alceu Valença) acompanham as idas e vindas da relação entre a princesa (Talita Monteiro, muito divertida) e o sapo (Leandro Amado). O visual cheio de cores e retalhos completa a ambientação. Direção do autor (60min). Livre. Estreou em 7/1/2012. Teatro Clara Nunes (527 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea), Gávea, ☎ 2274-9696. Sábado e domingo, 17h. R$ 50,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. e dom.). IC. Estac. (R$ 6,00 por duas horas). Até 26 de fevereiro.

Fonte: VEJA RIO