CRIANÇAS

Amigos imaginários

Fantasia, como remédio contra a tristeza, é a receita de antiga peça do Grupo Milongas

Por: Bruna Talarico - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

roteiro-criancas-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Breno Sanches foi indicado ao Prêmio de Teatro Infantil Zilka Salaberry 2011 na categoria melhor texto, como autor de Conversas Inversas Histórias Diversas. A peça era defendida pelo Grupo Milongas, que estreou há dez anos encenando outra história sua ? Era uma Vez, e Não Era uma Vez, de Sanches e Camile dos Anjos ?, que está de volta ao circuito, em montagem da mesma trupe, no Teatro do Jockey. No palco, o elenco dedica-se a uma trama triste, amenizada por toques de fantasia. Hugo Souza interpreta o protagonista, um menino que, após a perda do avô, não se deslumbra mais com a vida.

Em seu desamparo, o garoto só tem por companhia quatro amigos imaginários. Essas figuras encarnam papéis diversos e envolvem seu criador em histórias fantásticas. Brincadeiras, enigmas e bem ensaiadas coreografias criadas por Paulo Cristo ajudam o personagem a driblar o desalento: ao revisitar passagens da infância, ele volta a se divertir e, no final das contas, conforta-se com a presença do avô em boas lembranças. Limpo, o cenário é composto de objetos pendurados a esmo, usados pelos atores como adereços que ajudam na apresentação de tramas em que se misturam contos folclóricos, folguedos e cordel. Em cena, a trupe, formada por egressos da Uni-Rio, inclui ainda Roberto Rodrigues, Patrícia Ubeda, Adriano Pellegrini e a coautora, Camile dos Anjos. Cláudio Lima (bateria), Karina Neves (flauta) e Matheus Rebelo (violão e viola) interpretam a música ao vivo, o que contribui para o bom ritmo da sessão. Direção do autor.

Era uma Vez, e Não Era uma Vez (70min). Rec. a partir de 6 anos. Reestreou em 3/11/2012. Centro de Referência Cultura Infância ? Teatro do Jockey (150 lugares). Rua Bartolomeu Mitre, 1110, Gávea, ☎ 3114-1286. Sábado e domingo, 18h30. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. e dom.). Estac. na Rua Mário Ribeiro, 410 (R$ 4,00 a hora). Até 16 de dezembro.

Fonte: VEJA RIO