CRIANÇAS

A Bruxinha que Era Boa

Exemplar antigo na coleção de clássicos de Maria Clara Machado (1921-2001), a peça infantil volta ao Tablado pela terceira vez

Por: Lais Botelho - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪✪

Guga Melgar/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Exemplar antigo na coleção de clássicos de Maria Clara Machado (1921-2001) - a lista inclui, entre outros, O Rapto das Cebolinhas, Pluft, o Fantasminha e O Cavalinho Azul -, a peça foi escrita em 1955 e estreou três anos depois, no Tablado. De volta ao mesmo palco pela terceira vez, ganhou produção com toques atuais, mas preserva a saborosa combinação de ingenuidade e inteligência que é a marca registrada da autora. No cenário assinado por Lídia Kosovski há caldeirões fumegantes, além dos divertidos bambolês iluminados por lâmpadas de LED, usados na criação da floresta onde a história se desenvolve. Na trama dirigida por Cacá Mourthé, a bruxinha Ângela (Diana Herzog) é aprisionada em uma torre depois de apresentar mau desempenho na Escola de Maldades. Além das cobranças do Vice Bruxo (Ricardo Monteiro), ela enfrenta a chacota das hilárias colegas Fedorosa (Manuela Llerena), Fedelha (Lilia Wodraschka), Fredegunda (Carol Repetto) e Caolha (Joana Castro). O ótimo trabalho do jovem elenco ganha inspirado apoio ao vivo de uma banda, encarregada da trilha sonora original e dos animados efeitos sonoros (55min). Rec. a partir de 3 anos. Reestreou em 22/3/2014.

O Tablado (147 lugares). Avenida Lineu de Paula Machado, 795, Lagoa, ☎ 2294-7847. Sábado e domingo, 17h. R$ 50,00. Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). Até 31 de agosto.

Fonte: VEJA RIO