Concerto

Música clássica, teatro e tecnologia na Sala Cecília Meireles

Sexta edição do BNDES Circuito Musica Brasilis leva concerto nesta quinta (20) às 20h à sala na Lapa

Por: Redação VEJA RIO - Atualizado em

VI Circuito BNES Musica Brasilis (crédito Guto Costa)
Apresentação inclui no repertório peças de Bach e Villa-Lobos (Foto: Guto Costa/Divulgação)

Série de espetáculos multimídia voltada aos repertórios brasileiros, o Circuito BNDES Musica Brasilis leva à Sala Cecília Meireles, nesta quinta (20), às 20h, o concerto De Bach às Bachianas, com projeções assinadas pelo videoartista MutiRandolph e apresentação de Rosana Lanzelotte (pianoforte), Marília Vargas (soprano), Marcus Ribeiro (violoncelo), Rômulo Barbosa (flauta) José Batista Junior (clarineta), Tony Botelho (contrabaixo).

+ Os melhores concertos da cidade

O repertório inclui peças de Bach, fonte de inspiração para as Bachianas,  uma das obras brasileiras mais conhecidas em todo o mundo, e Villa-Lobos. Os ingressos custam R$ 40. 

Confira o programa completo abaixo:

De Bach às Bachianas

Mário de Andrade – fragmento de Na Sombra das moças brasileiras (1925)

J.S. Bach – O Cravo bem Temperado – Prelúdio nº 1 (BWV 846)

H. Villa-Lobos – O Ginete do Pierrozinho (apresentado na Semana de Arte Moderna)

 

Mário de Andrade - fragmento da crítica sobre Amazonas (1930)

H. Villa-Lobos - Sonhar

J.S. Bach – Preludio vol. I nº 8 (BWV 883) (transcrição de Villa-Lobos)

H. Villa-Lobos - Melodia Sentimental

 

Mário de Andrade - fragmento da crítica Villa-Lobos (Diário Nacional, 2/7/1930)

J.S. Bach - Fuga Vol. I, nº 10 (BWV 855) (transcrição de Villa-Lobos)

H. Villa-Lobos -  A Lenda do caboclo

 

Mário de Andrade - fragmento da crítica As Bachianas (1938) 

J.S. Bach – Prelúdio vol. II, nº 14 (BWV 883) (transcrição de Villa-Lobos)

H. Villa-Lobos – Modinha (da Bachiana nº 1)

 

Mário de Andrade - fragmento da conferência O Artista e o Artesão (1938)

H. Villa-Lobos - O trenzinho do Caipira (da Bachiana nº 2)

H. Villa-Lobos – Modinha (da Bachiana nº 5)

 

 

Fonte: VEJA RIO