COMIDINHAS

Agora no Leblon

Nascida no Humaitá, a rede Sorvete Brasil abre sua quarta loja na badalada Rua Dias Ferreira

Por: Fábio Codeço - Atualizado em

roteiro-comidinhas-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Reduto de bons sanduíches e sucos no Humaitá, a lanchonete Sanduka começou a produzir sorvetes artesanais na década de 70 e não demorou a conquistar a clientela. Auxiliada pelo sorveteiro Severino do Ramo Aragão (parceiro no negócio junto com mais dois sócios), a proprietária Ana Fernandes resolveu apostar suas fichas no gelado, criando em 2002 uma fábrica no Centro de Abastecimento do Estado da Guanabara (Cadeg), em Benfica. Deu certo. Batizada de Sorvete Brasil, a empreitada ganhou loja própria no mesmo ano, na estação do bondinho do Pão de Açúcar. Começava ali a rede que acaba de abrir sua quarta unidade ? a inauguração foi no último dia 17, na concorrida Rua Dias Ferreira.

No colorido espaço, cerca de sessenta sabores, isentos de gordura hidrogenada, se revezam nos congeladores. A massa não é das mais cremosas, mas conquista o público em receitas elaboradas com gostosas misturas. Banana com canela, queijo de minas com goiaba, creme de laranja com Cointreau (um exemplar da linha de sugestões alcoólicas) e figo com nozes (R$ 8,50 cada bola) estão entre as melhores escolhas.

Servidas por R$ 7,50 ou R$ 8,50 a bola, as versões de frutas brasileiras também estão bem representadas ? a de caju é uma delícia. Para lembrar a infância, faça o seu pedido na casquinha. De biscoito, na forma de cone ou cestinha, o suporte vem sendo preterido pelas sorveterias modernas. Uma pena. Na nova loja, os gelados também podem virar drinques. São preparados ali os chamados frozen, de sorvete batido com uma dose e meia de cachaça Montanhesa (R$ 12,00), de vodca nacional Smirnoff (R$ 12,00) ou da sueca Absolut (R$ 15,00).A ideia funcionou bem com o sabor maracujá.

Sorvete Brasil. Rua Dias Ferreira, 668, loja C, Leblon, ☎ 3298-9919 (12 lugares). 10h/22h. Cc: D, M e V. Cd: todos. ? (☎ 2589-0072) ↔ www.sorvetebrasil.com.br. Aberto em 2011.

Fonte: VEJA RIO