O ENCANTO FOI PARA O RALO

Uma Noite no Museu 3 decepciona do início ao fim

Só a presença de Hugh Jackman e a despedida do cinema de Robin Williams conseguem livrar o longa da mesmice

Por: Miguel Barbieri Jr.

uma noite no museu 3
Ben Stiller e Williams (atrás): a trama é mais do mesmo (Foto: Divulgação)

AVALIAÇÃO ✪✪

Grande perda do cinema em 2014, Robin Williams tem uma emocionante despedida em Uma Noite no Museu 3 — O Segredo da Tumba. Seu personagem, o presidente de cera Teddy Roosevelt, dá adeus ao protagonista Larry Daley (Ben Stiller) e volta a ser uma estátua. O momento é de arrepiar. Outra boa sacada está na aparição--surpresa de Hugh Jackman, interpretando... Hugh Jackman — e rolam, claro, piadas com Wolverine. A criatividade aqui se encerra. Do princípio ao fim, o terceiro longa-metragem da franquia reprisa piadas desgastadas e nem os efeitos visuais, vedetes nos filmes anteriores, arrebatam. A trama volta ao Museu de História Natural de Nova York, onde trabalha o segurança noturno Larry. Não demora muito para a história encontrar outro espaço para instalar sua trama cômica. O escolhido é o British Museum, de Londres. Lá, Larry e seus bonecos de cera vão procurar a ala do Egito Antigo para solucionar o problema de uma placa de ouro milenar. O objeto está perdendo sua força mágica e, consequentemente, as estátuas vão deixar de ter vida. Roosevelt, Átila, o Huno (Patrick Gallagher), e as miniaturas do caubói (Owen Wilson) e do centurião romano (Steve Coogan) ganham a companhia de  Lancelot, uma composição por vezes divertida do ator inglês Dan Stevens, sobretudo em seu encontro/confronto com Hugh Jackman. Direção: Shawn Levy (Night at the Museum: Secret of the Tomb, EUA/Inglaterra, 2014, 97min). Livre. 

Fonte: VEJA RIO