REGISTRO MORNO

Uma Longa Viagem fala de traumas de guerra e vingança

Drama inspirado em livro autobiográfico de Eric Lomax tem II Guerra Mundial como pano de fundo

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

uma longa viagem
Colin Firth: trauma causado pelas torturas (Foto: Divulgação)

Na década de 80, o solitário Eric Lomax (Colin Firth) conhece a encantadora Patti (Nicole Kidman). Após o casamento, ela se dá conta de que seu marido é um homem perturbado — e não à toa. A esposa vai, então, à procura do melhor amigo dele (Stellan Skarsgard) para saber o motivo. Em 1942, Lomax (na juventude interpretado por Jeremy Irvine) era um soldado do Exército britânico quando seu batalhão foi capturado e feito prisioneiro por invasores japoneses em Singapura. O protagonista, para tentar escutar as notícias do exterior, monta um rádio, descoberto pelos inimigos. Acaba passando por humilhações, espancamentos, torturas psicológicas e físicas. Carregou, portanto, o trauma por quatro décadas, até descobrir que seu algoz, Takeshi Nagase (Hiroyuki Sanada), está vivo. Inspirado em livro autobiográfico de Lomax, lançado pela Editora Planeta, o longa faz um registro morno da II Guerra Mundial. A empenhada atuação das duas estrelas contorna a lenta narrativa, mas o desfecho, na base da redenção obediente, apaga um iminente incêndio no acerto de contas.    ✪✪ Uma Longa Viagem, de Jonathan Teplitzky (The Railway Man, Austrália/Suíça/Inglaterra, 2013, 116min). 14 anos. Estreou em 18/12/2014.

Fonte: VEJA RIO