CINEMA

Retrato da solidão

Uma silenciosa história de amor em O Homem das Multidões

Por: Miguel Barbieri Jr.

DIVULGAÇÃO
(Foto: Redação Veja rio)

O cotidiano de Juvenal (Paulo André), maquinista de trem em Belo Horizonte, resume-se ao trabalho e à solidão que encontra ao chegar em casa. De uma timidez avassaladora, ele mal consegue conversar na hora do almoço com Margô (Silvia Lourenço), uma controladora da malha ferroviária por quem nutre uma paixão secreta. Quando menos espera, Juvenal recebe a notícia: Margô quer que ele seja seu padrinho de casamento. Ela conheceu o noivo pela internet e, em poucos dias, deixará de ser solteira. Nem mesmo abalado pela notícia ele destrava a língua e continua firme em seu casulo. A união do mineiro Cao Guimarães (A Alma do Osso) com o pernambucano Marcelo Gomes (Cinema, Aspirinas e Urubus) rendeu um filme no mínimo instigante. Rodado num formato de tela quadrada (veja na foto ao lado), o longa-metragem busca nos silêncios e nos enquadramentos simétricos um arguto registro da solidão - não só de Juvenal, mas também de Margô. Vale o aviso: embora visualmente atraente, a fita dá um andamento muito lento a uma carinhosa história de amor.

✪✪✪ O Homem das Multidões, de Cao Guimarães e Marcelo Gomes (Brasil, 2013, 95min). 14 anos. Estreou em 31/7/2014.

Fonte: VEJA RIO