uranium film festival

MAM exibe 5º Festival de Filmes sobre Energia Nuclear

A mostra internacional fica em cartaz a partir desta quinta (16) e reúne 19 obras de 10 países. Ingressos a seis reais

Por: Redação VEJA RIO - Atualizado em

festival de cinema nuclear
Inseparable (Foto: Divulgação)

A partir desta quinta (16), o 5º Festival Internacional de Filmes sobre Energia Nuclear entra em cartaz no Museu de Arte Moderna. Com ingressos a preço popular – a inteira sai a R$ 6,00 –, o evento traz para a Cinemateca do MAM 19 obras de 10 países, que tem como tema a radioatividade. Na estreia do Uranium Film Festival, como é conhecido, será lembrado o surgimento da bomba atômica há 70 anos, nos Estados Unidos. No dia seguinte, um debate sobre os riscos da radiação e os acidentes nucleares de Chernobyl e Fukushima convidam o público a refletir sobre o assunto.

Entre os destaques deste ano está o filme brasileiro Revista da Morte, do cineasta Laércio Tomaz. No documentário, o diretor chama atenção para o risco à saúde do uso de scanners corporais, com radiação ionizante, na inspeção de segurança nos presídios. No caso retratado na fita o uso de radiação ionizante na inspeção de segurança dos presídios de Vila Velha e Viana, no Espírito Santo, pode ter causado 22 abortos em série. Além de informar a sociedade, o festival tem como objetivo estimular produções independentes audiovisuais sobre o tema, os riscos da radioatividade e a exploração, mineração e processamento de Urânio.

O Museu de Arte Moderna do Rio fica na Av. Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo.

+ CCBB homenageia cineasta japonesa Nagisa Oshima

+ Fique de olho nos 31 filmes em cartaz na cidade

Confira a programação completa:

Quinta, 16/7

15h - Sessão Bomba Atômica:

Hiroshima Preces de uma Mãe, de Motoo Ogasawara. Japão, 1990.

Nuclear Savage: The Islands of Secret Project 4.1, de Adam Jonas Horowitz. EUA, 2012.

17h - Sessão Arte Atômica:

11:02 de 1945. Retratos de Nagasaki, de Roberto Fernández. Brasil/Argentina, 2014.

After the Day After, de Nathan Meltz. EUA, 2011.

H., de Adrian Regnier Chavez. México, 2013-2014.

Remote Viewing, de Cris Ubermann. França, 2012.

In a Single Minute, de Michael Elam. EUA, 2009.

Loving the Bomb, de Alison Davis. Canada, 2009.

Amalia, de David Harrison. EUA, 2014.

Liebe Sonne (Amado Sol), de Franka Sachse e Uli Seis. Alemanha, 2011.

Darkroom, de Anna Luisa Schmid. Alemanha, 2011.

Pequeno Objeto A, de Daniel Abib. Brasil, 2014.

a coisa radioativa
A Coisa Radioativa (Foto: Divulgação)

19h – Sessão Bombas Perdidas:

Operación Flecha Rota. Accidente Nuclear en Palomares, de Jose Herrera Plaza. Espanha, 2007.

Sexta, 17/7

15h - Sessão Radioatividade:

La Cosa Radiactiva, de Sergio Galán e Alejandro Perez. Espanha, 2013.

Revista da Morte, de Laércio Tomaz, Produção Davi Lima da Silva, Guina Vieira e Laércio Tomaz. Brasil, 2013.

17h - Sessão Fukushima:

The Plan(?), de Susan Rubin e Andrea Garbarini. EUA, 2014.

Alone In The Zone, de Ivan Kovac e Jeffrey Jousan. Japão, 2013.

Ordinary Lives, de Taizo Yoshida. Japão, 2012.

19h – Sessão Chernobyl:

Inseparable, de Vitaliy Vorobyov. Ucrânia, 2013.

revista da morte
Revista da Morte (Foto: Divulgação)

Fonte: VEJA RIO