Memória da Cidade

Livro revisita o Rio do início do século XX

O Rio dos primeiros anos da República ressurge em obra inspirada na ótica crítica do cronista e teatrólogo Artur Azevedo

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

THEATRO MUNICIPAL
(Foto: Augusto Malta)

O ano era 1908, e o jornalista Artur Azevedo escrevia em O País: “Visitei o Theatro Municipal e venho dizer aos leitores, francamente, desassombradamente, que o Rio de Janeiro possuirá um dos primeiros teatros do mundo. Nada lhe falta, absolutamente nada, em luxo, conforto, elegância e comodidade”. Mas não era somente elogios: “Lamento que a municipalidade não tenha feito o menor esforço para organizar uma companhia dramática própria”. O prédio ficaria pronto um ano depois, inaugurado solenemente em 14 de julho de 1909, com Azevedo já falecido. Apesar de ter sido grande entusiasta do teatro, ele não veria a festa de abertura, assim descrita pelo Jornal do Commercio: “Carros em fila interminável despejavam, desde as oito da noite, homens encasacados e enluvados e senhoras que escondiam, sob vistosas capas e amplas mantas, a riqueza de suas joias, nuvens de renda e ondas de perfume”. Histórias deliciosas como essas estão no recém-lançado O Rio de Janeiro de Artur Azevedo (editora Mauad e Faperj), escrito pela antropóloga Tatiana Siciliano, e cuja estrela maior é, para além de Azevedo, o Rio da virada dos séculos XIX e XX.

info
O Municipal no início do século XX, Azevedo e a capa do livro de Tatiana: um Rio com “nuvens de renda e perfume” (Foto: infográfico)

 

Fonte: VEJA RIO