CINEMA

Nada de fantasia

Em Flores do Oriente, o chinês Zhang Yimou muda de rumo e investe num drama de guerra

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

roteiro-cinema-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Parece que o diretor chinês Zhang Yimou deixou de lado o exotismo das produções épicas, como Herói e O Clã das Adagas Voadoras. No fim do ano passado, foi lançado por aqui seu penúltimo longa-metragem, A Árvore do Amor, um belo romance ambientado na China da era Mao Tsé-tung, em meados dos anos 60. Igualmente em registro realista, mas agora com tintas trágicas, Yimou traz à tona mais um momento histórico de seu país no drama Flores do Oriente. A trama desenrola-se durante a invasão militar japonesa à cidade de Nanquim, em 1937. O massacre teve como resultado a morte de cerca de 300000 civis, além do estupro de mulheres e crianças.

Inspirada no livro 13 Flowers of Nanjing (título da edição chinesa), de Yan Geling, a fita representou a China no último Oscar de melhor filme estrangeiro, mas ficou fora da disputa. Em enérgica direção, Yimou dá conta de relembrar o episódio da ocupação dos japoneses nos primeiros estonteantes minutos. Em seguida, foca os personagens. Christian Bale interpreta John Miller, um coveiro americano pego de surpresa em meio a tiroteios e explosões. Para sobreviver ao extermínio, ele se passa por padre e consegue refúgio numa igreja católica, território neutro no combate. Embora falso e oportunista, Miller vira zelador de um grupo de estudantes religiosas. A situação beira o caos quando treze prostitutas exigem abrigo e Miller, encantado pela líder delas (a linda estreante Ni Ni), lança mão de seu charme de cafajeste para levá-la para a cama.

O realizador mostra os japoneses com a mesma brutalidade dos nazistas. Falta-lhe ainda um pouco de sutileza na transformação do protagonista: de beberrão mau-caráter a herói das oprimidas. A história, porém, sustenta o interesse do começo ao fim -- nem dá para sentir suas mais de duas horas de duração. Os conflitos entre as meninas virgens e as abusadas cortesãs rendem momentos menos pesados. No terço final, uma inesperada reviravolta traz ingredientes para comover a plateia. Este não é o melhor filme dos 25 anos de carreira de Yimou. Contudo, a iniciativa de abandonar a fantasia para abraçar a realidade mostra-se, por enquanto, favorável.

Flores do Oriente, de Zhang Yimou (Jin Líng Shí San Chai, China/Hong Kong, 2011, 146min). 16 anos. Estreou em 25/5/2012. Cinemark Botafogo 1, Cinemark Downtown 2, Cinépolis Lagoon 2, Espaço Itaú de Cinema 5, Estação Vivo Gávea 2, Kinoplex Fashion Mall 1, Leblon 1, Roxy 1, UCI New York City Center 9.

Fonte: VEJA RIO