Golpistas Profissionais

Estrelado por Will Smith, Golpe Duplo decepciona

Passagem de tempo prejudica trama da dupla Glenn Ficarra e John Requa, que perde a graça na segunda metade do filme

Por: Miguel Barbieri Jr.

AVALIAÇÃO ✪✪

Golpe Duplo
Estrelado por Will Smith, Golpe Duplo divide-se em duas partes — a primeira é boa; a segunda deixa a desejar (Foto: Divulgação)

O Golpista do Ano (2009), estrelado por Jim Carrey, e Amor a Toda Prova (2011), com Steve Carell e Ryan Gosling, foram os dois primeiros longas-metragens da dupla de diretores e roteiristas Glenn Ficarra e John Requa. No terceiro trabalho, a aventura Golpe Duplo, eles não conseguem ter o mesmo bom resultado de antes. O roteiro possui uma divisão (não só por causa da passagem do tempo), que prejudica a fluência da narrativa. A segunda metade perde o brilho e a graça da primeira (e empolgante) trama. Os protagonistas são os mesmos, mas é como se o espectador comprasse ingresso para ver um filme e assistisse a dois. Nicky (Will Smith) participa de um grupo de golpistas profissionais com um esquema muito bem armado. Pelas ruas, homens e mulheres batem carteiras e furtam artigos valiosos. Tudo vai parar num depósito onde o fruto dos roubos é vendido pela internet. Ao notar que a belezura Jess (Margot Robbie) é uma sedutora mão-leve, Ricky a introduz na quadrilha e na arte do crime. Corte rápido para três anos depois. Nicky abandonou a turma e está em Buenos Aires na intenção de espionar uma escuderia a mando de Garriga (Rodrigo Santoro), um magnata da Fórmula 1. Detalhe: Jess também se encontra por lá e, bingo!, namora o poderoso empresário. Haverá novos golpes, contratempos e reviravoltas. Mas muito aquém dos sessenta minutos iniciais. Direção: Glenn Ficarra e John Requa (Focus, EUA/Argentina, 2015, 105min). 14 anos. Estreou em 12/3/2015. 

+ Em Kingsman, Colin Firth protagoniza trama politicamente incorreta 

Fonte: VEJA RIO