UMA MULHER DE CORAGEM

Longa resgata histórias da esposa de Guimarães Rosa

Dirigido por Caco Ciocler, o documentário Esse Viver Ninguém Me Tira foca na trajetória de Aracy Moebius de Carvalho durante o regime nazista alemão

Por: Miguel Barbieri Jr.

esse viver ninguém me tira
A biografada: burlando as ordens para salvar judeus (Foto: Divulgação)

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Em meados da década de 30, Aracy Moebius de Carvalho saiu do Brasil com um filho pequeno a fim de morar na Alemanha. Encontrou o país tomado pelo nazismo e, em Hamburgo, passou a trabalhar no setor de passaportes do consulado brasileiro, onde conheceu seu futuro marido, Guimarães Rosa. Não se sabe ao certo quantos judeus Aracy ajudou a fugir de lá. Infringindo ordens e leis (o governo de Getúlio Vargas vetou a eles o visto de permanência) e de uma coragem extrema, essa mulher virou tema do documentário Esse Viver Ninguém Me Tira, dirigido pelo ator Caco Ciocler. A pesquisa durou dois anos e foram feitas locações no exterior, incluindo Jerusalém e Sydney. De origem judaica, Ciocler acerta na simplicidade, no afeto e na tonalidade emocional ao narrar, literalmente, a trajetória de Aracy, que morreu em 2011, aos 102 anos. Guimarães Rosa, autor de Grande Sertão: Veredas, é, sim, citado em várias passagens. Mas a esposa, sem viver à sombra do marido, teve também uma importância histórica, conforme demonstram os registros. O filme presta homenagem nos créditos ao político Plínio de Arruda Sampaio, um dos entrevistados, morto em julho deste ano. Direção: Caco Ciocler (Brasil,  2014, 75min). 12 anos. Estreou em 11/12/2014. 

Fonte: VEJA RIO