na telona

Cine Daros recebe mostra gratuita de animação

Terceira edição da mostra começa nesta quarta (12) e exibe clássicos e fitas recentes produzidos nos últimos 20 anos

Por: Redação VEJA RIO - Atualizado em

Casa Daros
Casa Daros: espaço cultural realiza mostra com filmes de destaque em 2014 (Foto: Alline Ourique)

O pátio da Casa Daros volta a receber os apaixonados por cinema em seu pátio, na terceira edição do Cine Daros. A mostra ocorre a partir desta quarta (12) e vai até próximo domingo (16), sempre às 19h. Ao todo serão exibidos cinco filmes de animação produzidos nos últimos 20 anos, como o brasileiro Uma História de Amor e Fúria, dirigido por Luiz Bolognesi e vencedor do Festival Internacional de Animação de Annecy, na França.

Gemma Bovery e Party Girl entram em cartaz

+ Confira os 34 filmes no circuito carioca

Com entrada gratuita, o evento terá também sessões dos clássicos As Bicicletas de Belleville, de Sylvian Chomet, e Persépolis, dirigido por Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud. Em cada filme o público poderá conferir técnicas e identidades tradicionais diferentes, como na produção do japonês Hayao Miyasaki, Meu Amigo Totoro, marcado por traços simples e cores básicas. Fantástico Senhor Raposo, de Wes Anderson, será exibido neste sábado (15).

+ Clássicos Cinemark reexibe fita de ação Top Gun

+ Moreira Salles homenageia cineasta Heinz Emigholz

Amor e fúria1
Amor e fúria (Foto: Divulgação)

Confira a programação completa:

Quarta, 12/8 – "Meu amigo Totoro” (1988), Japão, 86min, livre. Direção de Hayao Miyazaki

Quinta, 13/8 – “As Bicicletas de Belleville” (2003), França,  78min, 10 anos. Direção de Sylvain Chomet

Sexta, 14/8 – “Persépolis” (2007), França e Estados Unidos, 96min, 12 anos. Direção de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud

Sábado, 15/8 “O Fantástico Senhor Raposo” (2009), Estados Unidos, 87min, 10 anos. Direção de Wes Anderson

Domingo, 16/8 – “Uma História de Amor e Fúria” (2013), Brasil, 98min, 12 anos. Direção de Luiz Bolognesi

Meu amigo totoro
Meu amigo totoro (Foto: Divulgação)

Fonte: VEJA RIO