EXPOSIÇÕES

Vladimir Lagrange

Primeira individual na América Latina do fotógrafo leva 65 fotografias em preto e branco à Caixa Cultural

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

Avaliação ✪✪✪

recomenda-expos-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Um dos maiores fotógrafos vivos revelados na antiga União Soviética, este senhor de 74 anos, em atividade há mais de meio século, construiu uma obra carregada de sensibilidade e destituída de conotações ideológicas ? um feito, levando-se em conta a opressão do regime comunista com a qual conviveu em boa parte de sua carreira. Assim Vivíamos, sua primeira individual na América Latina, em cartaz na Caixa Cultural, deixa patente uma atração pelo sujeito comum, distante do cidadão perfeito almejado pela propaganda oficial. Ao longo de 65 fotografias em preto e branco, selecionadas pelo curador Luiz Gustavo Carvalho, aparecem casais dançando, um músico tocando tuba, uma criança encasacada na neve, meninas sob a supervisão de uma professora de balé, agricultores na colheita, operários trabalhando, um garoto fazendo careta. Produzidas entre as décadas de 60 e 90, as imagens são um primor de composição e luz, aparentadas à escola de fotografia humanista francesa, que revelou nomes como Henri Cartier-Bresson (1908-2004), Robert Doisneau (1912-1994) e Sabine Weiss. Em alguns trabalhos, uma pontinha de subversão política transparece de forma poética. É o caso de um registro de 1962, Pombas da Paz, em que jovens felizes caminham pela Praça Vermelha, sob uma enorme revoada de pássaros. Lagrange privilegiou os indivíduos, em vez da multidão. No passeio por retratos de um povo também há espaço para o humor: em uma foto de 1982, um idoso de barba longa pilota um carrinho de brinquedo em um parque de diversões.

Caixa Cultural ? Galeria 4. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 3980-3815, ? Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 25 de maio.

Fonte: VEJA RIO