bares

Bebidas de estirpe

Cervejas nobres chegam às importadoras com preço de vinho de primeira linha

Por: Carla Knoplech - Atualizado em

O ritual lembra a degustação de um vinho raro. Carregada cuidadosamente pelo garçom, a garrafa chega à mesa com temperatura de 7 graus, nem mais, nem menos. Aberta, é servida entre os convivas em taças alongadas de cristal. A bebida em questão não leva uvas em sua formulação, mas sim cevada e lúpulo, e é proveniente de uma cidadezinha litorânea no nordeste da Escócia. Batizada como BrewDog Sink The Bismarck (uma homenagem ao cruzador alemão afundado pelos ingleses na II Guerra Mundial), a cerveja carrega o título de mais cara da cidade. Cada garrafa, de 330 mililitros, custa inacreditáveis 699,90 reais. ?A BrewDog leva meses para ser produzida e, graças a peculiaridades do processo de fabricação, tem uma concentração alcoólica de 42%, parecida com a da vodca e a do steinhäger?, diz Hélio Júnior, dono do Delirium Café, onde a bebida é vendida.

Assim como acontece com a marca escocesa, uma série de novidades tem animado os apreciadores de cervejas finas (veja algumas delas abaixo). Quase todas carregam histórias tão instigantes quanto o sabor que apresentam. A belga Gouden Carolus Cuvee Van Keizer Blauw é feita uma única vez por ano, no dia 24 de fevereiro, em honra ao aniversário do imperador Carlos V, que reinou sobre a Europa Central no comando do Sacro Império Romano entre 1519 e 1556. Apenas 312 unidades são fabricadas nessa ocasião e despachadas para distribuidores de todo o mundo. Por aqui cada garrafa de 750 mililitros sai por 299,90 reais. A também belga Deus, de 249,90 reais, e a alemã Infinium, de 199,90 reais, incorporam técnicas vinícolas, como o método champagnoise, que lhes conferem sabor levemente adocicado e aroma cítrico. São um sucesso entre a ala feminina, que costuma bebê-las em flûtes geladas, para o líquido não esquentar.

As cervejas de primeiríssima linha fazem parte de um fenômeno que tem ampliado os limites do universo cervejeiro. Ele começou com a chegada de variedades que iam além da pilsen tradicional, como as feitas de trigo, as ale e stout e as do tipo abadia ? tanto nacionais quanto importadas. Desdobrou-se em novos hábitos, como o interesse pela produção artesanal da bebida, no fundo do quintal ou na cozinha do apartamento, e pelas degustações de marcas importadas em bares especializados. O próprio Delirium Café, em Ipanema, aberto há onze meses, é uma franquia de uma rede criada em Bruxelas presente em sessenta países. Ligada à cervejaria Huyghe, dona da marca Delirium Tremens, ela se orgulha de oferecer em sua sede 2?004 rótulos diferentes. Por aqui, são 300. Não deixa de ser um bom começo.

bares1.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
BrewDog Sink The Bismarck

Conteúdo: 330ml

Origem: Escócia

Concetração alcoólica: 42%

699,90 reais

bares3.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
BrewDog Tactical Nuclear Penguin

Conteúdo: 330ml

Origem: Escócia

Concetração alcoólica: 32%

649,90 reais

bares2.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
Gouden Carolus Cuvee Van Keizer 2000

Conteúdo: 750ml

Origem: Bélgica

Concetração alcoólica: 8,5%

299,90 reais

bares5.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
Deus Brut Des Flandres

Conteúdo: 750ml

Origem: Bélgica

Concetração alcoólica: 8,5%

249,90 reais

bares4.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
Infinium

Conteúdo: 750ml

Origem: Alemanha

Concetração alcoólica: 10,5%

199,90 reais

Fonte: VEJA RIO