EXPOSIÇÕES

Mente que brilha

Mostra na Caixa Cultural vai exibir 160 obras menos conhecidas de Arthur Bispo do Rosário

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

Rodrigo Lopes/Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Sergipano, ex-marinheiro e vítima de esquizofrenia, ele foi internado na Colônia Juliano Moreira em 1939 e, entre idas e vindas, ali ficou até morrer, cinquenta anos depois. Dizia ter recebido de Jesus Cristo a tarefa de reconstruir o mundo para o dia do Juízo Final. Arthur Bispo do Rosário (1911-1989) herdou uma tradição masculina de sua católica cidade natal, Japaratuba: a técnica do bordado das bandeiras usadas nas procissões. No cumprimento do que julgava ser uma missão divina, transformou em ateliê a cela que ocupava e produziu intensamente. Muito antes de criar os mantos e estandartes que o consagrariam internacionalmente em 1995, quando as peças foram exibidas na 46ª Bienal de Veneza, encapsulava objetos do cotidiano e instrumentos musicais com linhas desfiadas dos uniformes usados por ele e outros internos do hospital psiquiátrico. Assim surgiram os 283 trabalhos, batizados de Orfa (Objeto Recoberto por Fio Azul), integrantes da coleção do museu dedicado a guardar suas obras em Jacarepaguá.Desse conjunto, o curador da instituição, Wilson Lázaro, selecionou as 160 peças que serão expostas em conjunto pela primeira vez na mostra Arthur Bispo do Rosário: o Artista do Fio, na Caixa Cultural. ?Podemos observar sua escrita e vários desses objetos representados nos mantos e estandartes que ele confeccionou em uma fase mais tardia?, diz Lázaro.

Na montagem, todos os itens do acervo ficarão suspensos à altura dos olhos do visitante, em configuração parecida com a de um labirinto, remetendo ao espaço original de criação do artista.O uso da arte como tratamento, instituído pela psicanalista Nise da Silveira, revelou talentos genuínos como Fernando Diniz, Carlos Pertuis e Emygdio de Barros. Bispo do Rosário não teve contato com os métodos de trabalho da doutora. Único, deixou um legado que, neste ano, vai alcançar grande visibilidade na Europa. Duas de suas faixas (Miss Brasil e Miss Espanha) integram uma coletiva em cartaz no Instituto Valenciano de Arte Moderna, na Espanha. Em setembro, 28 peças de diferentes suportes, como as composições Caixa dos Escolhidos e Caixa de Música, ocuparão uma sala especial na Bienal de Lyon, na França. No mês seguinte, ele inspira outra exposição-solo no Festival Europalia, em Bruxelas, no qual o Brasil será o país homenageado.

Arthur Bispo do Rosário: o Artista do Fio. Caixa Cultural ? Galeria 1. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-7666, ? Carioca. → Terça a sábado, 10h às 22h; domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 14 de agosto. A partir de terça (5). www.caixacultural.com.br.

Fonte: VEJA RIO