Cidade

Traficantes exibem fuzis em piscina de vila olímpica

Situada em Honório Gurgel, Vila Olímpica Félix Mielli Venerando teve sua piscina invadida por traficantes de drogas

Por: Redação Veja Rio - Atualizado em

trafico
Traficantes exibem fuzis na piscina da Vila Olímpica Félix Mielli Venerando, em Honório Gurgel (Foto: Reprodução Facebook)

 

Concebida para ser uma opção de lazer e práticas esportivas em Honório Gurgel, a Vila Olímpica Félix Mielli Venerando teve sua piscina invadida por traficantes de drogas. A foto do grupo com três fuzis foi obtida por agentes da 39ª DP (Pavuna) e divulgada pelo jornal fluminense Extra. Segundo os investigadores, a imagem foi feita há uma semana e mostra traficantes que seriam do Complexo da Pedreira, em Costa Barros, e teriam invadido a favela de de Proença Rosa, nas imediações, há duas semanas. 

Em um áudio obtido pelos agentes da Polícia Civil, um homem, identificado como Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, que seria chefe do tráfico no Morro da Pedreira, cita a área de lazer enquanto desafia a facção rival. "Adorei a piscina, esculachou. [sic] Se ligou? Maior complexão, tá tudo dominado. E outra coisa: pode vir com bondão de onde for. Vai trocar tiro com nós a noite toda.

+ Polícia reage ao aumento dos assaltos na cidade com barreiras na rua 

+ Mais difícil que o Haiti: manter a ordem nos complexos do Alemão e da Penha virou um gigantesco desafio

Cartaz traficante Playboy
Cartaz da polícia com o traficante Playboy (Foto: Reprodução)

A vila olímpica foi inaugurada em 2012 pela Secretaria Municipal de Esportes e Lazer e se propõe a formar talentos para a Olímpiada. De acordo com a prefeitura, o local estava fechado no momento da invasão e as atividades  já foram normalizadas.

Em nota, a assessoria da Polícia Civil informou que o caso está sendo investigado pela  40ª DP (Honório Gurgel) e que  funcionários e responsáveis pela Vila Olímpica serão chamados para prestar depoimento. Segundo a assessoria, o material está sendo analisado para identificar e prender os envolvidos e o áudio divulgado será encaminhado ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli para perícia. 

 

 

(com Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA RIO