bloco na rua

Timoneiros da Viola volta às origens em 2016

Após se apresentar no Parque de Madureira neste ano, bloco retorna à Praça Paulo da Portela, em Oswaldo Cruz, a pedidos

Por: Redação VEJA RIO - Atualizado em

Bloco Timoneiros da Viola, Madureira - RJ
Bloco Timoneiros da Viola, Madureira - RJ (Foto: Walter Mesquita/Riotur)

O grande homenageado do próximo desfile ainda não foi divulgado - será preciso esperar mais alguns dias. No entanto, os foliões que acompanham o Timoneiros da Viola receberam uma boa notícia. Em 2016, quando completa cinco anos, o bloco de carnaval voltará ao local onde nasceu: a Praça Paulo da Portela, em Oswaldo Cruz, subúrbio do Rio.Neste ano, o desfile aconteceu pela primeira vez no Parque de Madureira. Chegou a ser cogitado transformar o parque na nova residência do Timoneiros, criado para homenagear Paulinho da Viola. No entanto, após inúmeros pedidos da comunidade, os diretores optaram pelo retorno às origens.

+ Confira os principais shows da cidade

"Além de reverenciar os ícones do samba e do choro, tendo como ponto de partida a obra do Paulinho (da Viola), o Timoneiros sempre se propôs a resgatar o Carnaval de rua do subúrbio. Então, devido aos pedidos para a manutenção do bloco na Praça Paulo da Portela, chegamos a um consenso de que não fazia sentido convertermos essa festa tão mágica que acontecia na rua em um show. Foi isso o que aconteceu, na verdade, neste ano. Fomos para um palco e a magia do nosso encontro na rua com o povo se perdeu. Paulinho também concordou e tomamos a decisão, conjuntamente, de voltar com o Timoneiros para a rua, como tudo começou" explica Vagner Fernandes, presidente do Timoneiros da Viola, no post.

+ Palco Sunset, no Rock in Rio. terá show em homenagem aos 450 anos da cidade

Em 2012, ano de estreia, o Timoneiros celebrou os 70 anos de seu anfitrião, Paulinho da Viola. Em 2013 resgatou a história dos personagens que protagonizaram o musical "Rosa de ouro": Clementina, Aracy Côrtes, Anescarzinho do Salgueiro, Elton Medeiros, Nelson Sargento, além do próprio Paulinho. No ano seguinte, em 2014, reverenciou Candeia. E, neste 2015, homenageou Cartola.

Fonte: VEJA RIO