mapa do preconceito

Site colaborativo vai mapear a homofobia no Rio

Através da ferramenta, população LBGT poderá registrar locais da cidade onde foi alvo de agressões

Por: Thaís Meinicke - Atualizado em

fernanda montenegro beijo
Beijo entre Fernanda Montenegro e Nathália Timberg na novela Babilônia também foi alvo de preconceito (Foto: Reprodução)

O Rio tem a fama de ser uma das cidades mais gay friendly do mundo, mas a população LBGT que vive aqui sabe que, no dia a dia, é obrigada a passar por situações que em nada confirmam este título. Desde 1996, a cidade possui uma Lei Municipal (n° 2.475) que criminaliza a discriminação praticada contra qualquer cidadão homossexual, bissexual ou transgênero em estabelecimentos comerciais, industriais e repartições públicas. Mesmo sob o risco de punições que vão de multas a cassação do alvará de funcionamento, esta norma ainda é ignorada em muitos locais, o que permite que seus clientes passem por situações constrangedoras e até mesmo violentas, seja por parte de outros frequentadores ou dos próprios funcionários.

+ Billboard lança campanha contra homofobia em rádios brasileiras

Com o objetivo de coibir tais atos, será lançado nesta sexta (27), o site Tem Local?, que retratará o mapa da homofobia na cidade. A ferramenta será construída de forma colaborativa, através de denúncias dos próprios internautas sobre lugares em que tenham sofrido algum tipo de violência.

Tem Local
Site registrará relatos de homofobia em estabelecimentos da cidade (Foto: Reprodução)

Como a própria página da iniciativa no Facebook explica, o processo de cadastro é simples: o usuário entra no site e localiza no mapa o lugar em que aconteceu a LGBTfobia; seleciona o tipo de preconceito que presenciou ou sofreu (transfobia, lesbofobia, bifobia ou homofobia); e faz a denuncia, que logo aparecerá no mapa. Será possível cadastrar ainda estabelecimentos gay friendly, em que as diversidades sexual e de gênero são respeitadas.

Além dos registros no site, o grupo de ativistas pretende ainda organizar ações e boicotes aos estabelecimentos denunciados. O primeiro ato já tem data marcada: será nesta sexta (27), às 20h, na Praça São Salvador, em Laranjeiras. Será organizado um beijaço em resposta à agressão sofrida no início de março por um casal gay no Bar Brasil, localizado no local. 

Fonte: VEJA RIO