EDIÇÃO DA SEMANA

Mundo Animal

Por: Daniela Pessoa - Atualizado em

Geniosos à mesa

No que se refere à alimentação, os gatos têm comportamento bem diferente do apresentado pelos cachorros. A nutricionista e endocrinologista veterinária Melissa Guillen dá dicas e faz alertas sobre o tema.

MAURO MATACCHIONE/istockphoto
(Foto: Redação Veja rio)

? Por não ter certos aminoácidos, o felino precisa de uma dieta balanceada. Portanto, o ideal é que ele coma ração.

? Ao contrário dos cães, que fazem refeições encorpadas, os gatos preferemse alimentar aos poucos durante o dia. Portanto, deixe sempre a comida ao alcance deles.

? É importante ter sempre água corrente disponível, pois uma das manias desses bichos é não gostarde líquidos. É preciso estimulá-los.

? O totó pode até ficar alguns dias sem comer. Já no felino o jejum costuma indicar um problema grave. Se ele perder o apetite, procure um veterinário.

Lee Lorenz/www.cartoonbank.com
(Foto: Redação Veja rio)
Ricardo Wolf/divulgação (buldogues), Marcelo Omena/divulgação (Yorkshire)
(Foto: Redação Veja rio)

Caipiras de quatro patas

Eles criaram a confraria no ano passado, em torno da paixão pelo buldogue inglês. Hoje a Bulldogada Carioca já reúne 730 fanáticos pela raça ?caricata, gorduchinha e apaixonante?, segundo definição da analista judiciária Roberta Lúcia Teixeira, uma das fundadoras do grupo. Ao menos quatro vezes por ano eles promovem um encontro que reúne seres humanos e animais: no Carnaval, na festa junina, no Halloween e no amigo-oculto de fim de ano. A próxima reunião será no dia 20, quando a bicharada se juntará a outras raças para o desfile a fantasia do arraial do shopping Downtown, às 4 da tarde, com entrada franca.

REDE GLOBO/Divulgacão
(Foto: Redação Veja rio)

O que aprendi com meu pet

A modelo Ellen Jabour, dona do vira-lata Pluft

?Há três anos adotei meu cachorrinho, que se tornou a alegria da casa, contagiando as pessoas em volta. A lição mais importante que aprendi com ele foi valorizar as coisas simples. Só de sair para passear, por exemplo, ele já fica superfeliz. Outra coisa legal que devemos aprender com os cães é não guardar mágoa. Pluft vai atrás de mim onde quer que eu esteja, por puro companheirismo. Por tudo isso é que levanto a bandeira da adoção. Fico indignada com quem trata os animais como um produto, em exibição numa vitrine e comercializados como se fossem uma bolsa. O que não falta por aí é bichinho abandonado.?

Fonte: VEJA RIO