pastel chinês

Procon Carioca inutiliza 260 quilos de alimentos em pastelarias

Operação Pastel Legal fiscalizou estabelecimentos da Zona Norte da cidade

Por: Redação VEJA RIO

Procon pastelaria
Operação do Procon fiscalizou pastelarias da Zona Norte (Foto: Divulgação)

O Procon Carioca segue com a fiscalização das pastelarias da cidade e, na última segunda (20), inutilizou cerca de 260 quilos de alimentos impróprios ao consumo em lanchonetes da Zona Norte. Entre as principais irregularidades listadas pelos fiscais estão falta de higiene e alimentos sem identificação e mal armazenados.

Na Pastelaria Hai Sheng, na Rua Barão de Mesquita, na Tijuca, os agentes apreenderam 10kg de queijo, 10kg de frios, 3kg de carne moída crua, 1kg de peixe cru, 4kg açúcar , 4kg frutas congeladas, 3kg de salsicha, 2kg de bacon e produtos chineses vencidos. Os produtos estavam sem identificação, armazenados incorretamente e o local apresentava péssimas condições de higiene.

+ Sete restaurantes sofisticados do Rio são autuados pelo Procon

Na pastelaria Ming do Estácio, na Rua Haddock Lobo, foram inutilizados 30kg de carne moída pronta, 1kg de pés de galinhas congelados, 15kg de queijo minas, 1kg de peixe, acerola em balde, 50kg de frango pronto desfiado, 20kg de aipim descascado,1 litro de molho branco, 14 sacos de produtos chineses, 3kg de carne moída crua, 100 unidades de coxinhas para fritar, 100 unidades de croquetes congelados, 500g de camarão seco, 1kg de yakisoba , 2kg de carne de filé crua, 20kg de massa para pastel, 15kg de frios diversos e 5 litros de pimenta líquida.

Na pastelaria Norte da Tijuca, na Rua Uruguai, os agentes encontram 10kg de queijo, 12kg de presunto fatiado, 4kg de presunto moído com validade vencida, 1kg de carne moída pronta, 3kg de massa para salgados e 4kg de frango desfiado sem identificação.

Na pastelaria Teto do Rio, na Rua São Francisco Xavier foram inutilizados 10kg de carne de hambúrguer, 3kg de frango desfiado, 7kg de massa para salgado, e 30 unidades de coxinha de galinha fora da validade.

Fonte: VEJA RIO