Segundo tempo

Organização do Rock in Rio reforça segurança e serviço nas lanchonetes para o segundo final de semana do festival, mas ainda faltam lixeiras

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

MG_7015.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
fila.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Após reclamações do público sobre os banheiros e o caos para comprar comida, a organização do Rock in Rio tenta superar os problemas iniciais. Na tarde desta quinta (29) a estrutura na Cidade do Rock parecia que estava melhor. Os banheiros masculinos contavam com seguranças para evitar a desordem dos dias anteriores, quando parte do público urinou nas paredes. Os mictórios, que entupiram com o lixo jogado ali, voltaram a funcionar. A ala feminina também foi elogiada pelos usuários.

A estrutura montada após o intervalo do festival mereceu elogios da estudante Maria Luiza Xavier. Moradora de Niterói, ela também esteve no primeiro dia de apresentações, na última sexta, 23. "Melhorou. Passei muito perrengue, principalmente quando fui comer no Bob's", conta. Maria demorou dez minutos para concluir seu pedido no Habib's. Ela estava acompanhada pela amiga Carolina Bortolot, que também comemorou as mudanças. "Tem mais lixeiras agora. Dia 23 esse gramado estava horrível, cheio de lixo", conta. Lanchonete mais criticada do festival, o Bob's colocou mais equipamentos para preparar comida e reforçou o número de funcionários. A rede alegou que 20% do efetivo contratado faltou aos primeiros dias.

A analista de sistemas Ana Emília Sampaio, moradora do Rio, também elogiou a rapidez na praça de alimentação. "Foi super rápido e a fila estava organizada. Mas minha pizza chegou gelada". Frequentadora do festival, a estudante de química Caroline Pereira compara a estrutura com a do Rock in Rio 3, realizado há dez anos. "Está melhor. Consegui chegar rápido e os banheiros tinham até sabão líquido".

Outra polêmica do festival, a limpeza dos gramados foi intensificada. Houve um aumento de 200 lixeiras com relação aos dias anteriores. A latas estão mais espalhadas pelo gramado sintético. Mas a área próxima ao Palco Mundo continua carente de recipientes para o lixo. Até o início da noite, foi possível notar uma diminuição do lixo jogado no chão. Resta saber se a educação se manterá até o início dos shows principais, quando aumenta a concentração de pessoas no entorno do palco principal. Quanto aos furtos, a organização diz ter aumentado em 30% o número de seguranças dentro da cidade do Rock. O efetivo passou de 550 para 715 homens. Do lado de fora são 300 policiais da PM.

Fonte: VEJA RIO