COTIDIANO

Como enfrentar a malandragem

Sete medidas que os passageiros podem adotar para evitar os abusos

Por: Felipe Carneiro - Atualizado em

Ilustração Thiago Christo
(Foto: Redação Veja rio)

1- Indique sempre que possível o caminho desejado, com o máximo de detalhes, para evitar os percursos mais longos

2 - Caso não conheça o trajeto, cheque o Google Maps ou aplicativos como o Waze, com as rotas mais curtas e rápidas

3 - Confira se o motorista realmente ligou o taxímetro no começo da corrida e se a bandeira está correta

4 - Consulte sites como precodotaxi.com e tarifadetaxi.com, que calculam o valor aproximado dos percursos

5 - O taxista não pode recusar uma corrida, a não ser por motivo de segurança. Insista e, se necessário, denuncie

6 - O taxímetro precisa ter um selo do Inmetro na frente com a data de 2013 ou 2014. Se não tiver, saia do carro

7 - As cooperativas possuem um sistema de fiscalização mais ágil e rigoroso do que o da prefeitura. Se possível, opte por elas

Fonte: VEJA RIO