COTIDIANO

Própria para banho?

Verão chuvoso piora a qualidade das praias cariocas. No último fim de semana, 8 das 10 praias mais populares da cidade estavam com restrições. Perguntamos a um especialista como se prevenir antes de mergulhar

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

Riotur/Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

O verão deste ano demorou para emplacar. O tempo melhorou, após semanas de chuva e temperaturas abaixo da média. Mas, agora, os cariocas olham com preocupação para a qualidade da água nas praias. Na segunda, o boletim divulgado pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente (Inea), indicava que apenas as praias Vermelha, do Diabo, da Barra, Recreio e Prainha estavam próprias para banho. Até mesmo Grumari, recanto cercado por verde da Zona Oeste, possuía restrições ao mergulho.

De acordo com David Zee, professor de oceanografia da UERJ, a qualidade das praias cariocas, que já era preocupante, piorou com o verão chuvoso. "A chuva tem caído com frequência, o que leva para o mar todas as mazelas e deficiências do saneamento básico carioca". Segundo Zee, ligações de esgotos clandestinos contaminam as redes pluviais da cidade e, quando chove forte, extravasam na forma de línguas negras. "E a areia também fica contaminada pela água suja", explica. Elogiada por por Zee, até mesmo a praia de Copacabana sofre ressalvas pelas línguas de esgoto. "No Leblon, os canais do Jardim de Alah e da Rua Visconde de Albuquerque deixam a praia imprópria em quase toda a extensão".

Para ajuda-lo a mergulhar sem medo da contaminação, pedimos ao oceanógrafo dez dicas para saber se uma praia está própria para banho.

Qual é a situação das praias cariocas neste verão?

O clima nos últimos meses está atípico, tem chovido com intensidade e frequência ao longo de todo verão. As chuvas levam para as praias todo tipo de sujeira, esgoto e lixo, expondo nossas mazelas de saneamento básico. A situação é grave na Zona Oeste, onde cerca de 50% do esgoto continua sendo despejado nas lagoas e canais. O investimento tem priorizado o tratamento do esgoto na Barra e Recreio, é preciso incluir na coleta os dejetos de Jacarepaguá, Cidade de Deus e Rio das Pedras.

Como saber se uma praia está poluída?

A coloração da água. O mar deve ter tonalidades de azul, verde claro ou roxo. Caso a água fique verde escura, é um indicativo de impurezas. Se estiver marrom ou amarelado nem entre, é poluição.

Riotur/Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Espuma na água é indicativo de esgoto ?

A espuma branca pode formar naturalmente, pela arrebentação das ondas na pedra. Mas, quando ela fica amarelada, indica despejo de esgoto, sendo um sinal evidente da presença de coliformes fecais na água.

Mar transparente é sinônimo de praia limpa?

Se você está com a água na cintura, deve ver seus pés. Mas, se olhar para baixo e estiver turvo, preocupe-se com a qualidade do mar. No entanto, mesmo aparentemente limpa a praia pode estar contaminada por coliformes fecais, bactérias invisíveis a olho nu provenientes das fezes.

E a areia, como saber se está suja?

Manchas marrom ou cinza são preocupantes. Quanto mais clara ela estiver, melhor. Uma forma de testar sua qualidade é pegar um pouco de areia seca que esteja próxima do mar e levar até onde estiver sentado. Se a tonalidade for a mesma, é sinal que está limpa. Nunca fique a menos de 50 metros de uma língua negra ou canal, porque também contaminam a areia.

Que doenças pode-se pegar na areia e qual a melhor forma de evitá-las?

Fungos que transmitem micoses de pele, verminoses transmitidas por cachorros e humanos, bicho geográfico, Sempre usar uma toalha para se sentar e, caso repare que a areia está suja, passar água oxigenada nas unhas após sair da praia.

A presença de algas indica poluição?

Sempre. Em um ambiente equilibrado, o normal é não ter algas na praia. A proliferação de plantas mostra que o mar está com presença de nutrientes, como o nitrogênio e o fósforo, em excesso, provenientes do despejo de rejeitos. No verão, a proliferação é agravada pela insolação intensa. Juntos, esses fatores atuam como adubo para as algas, que podem deixar a água vermelha, marrom ou verde escura.

Riotur/Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

E as gigogas, aquelas plantas que nascem nas lagoas da Zona Oeste e, em diferentes ocasiões, chegaram ao litoral?

Durante os meses de verão, as gigogas se espalham pelas lagoas em que há alta concentração de esgoto. Por dia, centenas de toneladas de plantas podem ser produzidas e, com as chuvas, acabam empurradas para o litoral. A correnteza pode leva-las da Barra até o Leme.O problema é que as raízes dessas plantas ficam impregnadas de impurezas e estão altamente contaminadas, arrastando poluição por onde passam.

Quais são as praias mais limpas do Rio? E as mais sujas?

Copacabana e Leme têm boas condições de balneabilidade, assim como o Arpoador. Na Barra, a partir do Posto 4 até a Reserva, e também a Prainha. Na Zona Sul, São Conrado tem situação muito ruim. De um lado da praia, há despejo de esgoto do Vidigal e Rocinha, e, do outro, as correntes que chegam da Barra trazendo a poluição das lagoas da Barra, liberadas através do canal da Joatinga. Na Zona Oeste, estão impróprios o início da Barra e o final do Recreio, próximo à Macumba.

Existe alguma praia limpa na Baía de Guanabara?

A situação ali é crítica, passe longe. Somente a Praia Vermelha tem balneabilidade, mas é preciso ser cauteloso, checar a qualidade da água antes de entrar.

Fonte: VEJA RIO