Cidade

PM volta a policiar quatro favelas do Complexo da Maré

Operação tem início nesta sexta (1º) e faz parte do projeto de pacificação do Complexo da Maré

Por: Redação Veja Rio - Atualizado em

Complexo da Maré
Complexo da Maré: com fronteiras por terra e mar, o local tem forte presença de traficantes e milicianos (Foto: Divulgação)

+ Policiais vão subistituir militares das Forças Armadas de forma progressiva

Mais difícil que o Haiti: manter a ordem nos complexos do Alemão e da Penha virou um gigantesco desafio

A partir de sexta-feira, 1º, o policiamento de mais quatro favelas do Complexo da Maré, zona norte do Rio, passará dos militares da Força de Pacificação para as tropas de policiais militares, em uma nova etapa da instalação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). As comunidades Parque União, Nova Holanda, Parque Maré e Parque Rubens Vaz são controladas pela facção criminosa Comando Vermelho (CV), segundo a polícia.

De acordo com o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 50.578 pessoas moram nas quatro favelas, que concentram 39% dos 129.770 moradores do Complexo da Maré.

Atualmente, 3,2 mil profissionais do Exército, da Marinha e da Aeronáutica trabalham na região. A partir de sexta-feira, 330 deles voltarão aos quartéis. Desde o dia 1º, o Batalhão de Choque da Polícia Militar ocupa as comunidades Roquete Pinto e Praia de Ramos, dominadas por milícias. Não houve registro de confrontos.

A área que será transferida dos militares para a PM é o reduto do CV na Maré. Ao longo desta semana, reuniões entre a PM e o comando da Força de Pacificação vão detalhar a ocupação.

A violência é uma das características da área que a PM assumirá. Na Nova Holanda, relatos de tiroteios são frequentes e traficantes agem de modo menos ostensivo, escondidos em becos.

Em nota, a Força de Pacificação informou que o objetivo é "realizar uma atuação conjunta com os órgãos de segurança e de ordem pública para desarticular facções e permitir que entidades governamentais possam realizar ações para a melhoria das condições de vida" (com informações Estadão Conteúdo). 

Fonte: Agência Estado