Geografia

Olha ele ali

Percorremos vários bairros da cidade e até municípios vizinhos para verificar de que lugares dá para ver o monumento

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

Os franceses têm uma máxima muito conhecida e disseminada: simplesmente não há lugar, em Paris, do qual não se enxergue a Torre Eiffel. É uma bela frase de efeito, mas, na verdade, trata-se de um exagero, pois em vários bairros os prédios da capital impedem a visão do monumento. No Rio, em relação ao Cristo, acontece algo semelhante, e nem sempre nossa geografia de relevo acidentado ajuda muito. Da Zona Sul, vê-se a estátua praticamente de qualquer posição. Mas ali mesmo há lugares sem tal privilégio. Das areias de Copacabana, por exemplo, o banhista encontra dificuldade, por causa da barreira de espigões, um ao lado do outro, erguidos ao longo das últimas décadas. Por sua vez, Botafogo, Laranjeiras e Flamengo são áreas privilegiadas ? têm visão frontal. Com céu limpo, até de outras cidades, como São João de Meriti, Niterói e São Gonçalo, tem-se a noção do seu contorno. E quem estiver num navio a 30 quilômetros da costa, à noite, de lá conseguirá avistar um ponto luminoso: é ele mesmo, o Redentor.

geografia1.jpg
(Foto: Veja Rio)

Fonte: VEJA RIO