Memória da Cidade

Trens antigos saem de circulação após chegada dos chineses

Parte do cenário carioca há décadas, as velhas composições finalmente são aposentadas

Por: Lula Branco Martins

Vagões cruzam a Avenida Francisco Bicalho nos anos 50
Vagões cruzam a Avenida Francisco Bicalho nos anos 50 (Foto: Acervo Supervia)

Desde 2012, trens fabricados na China passaram a trafegar pelos oito ramais da SuperVia, interligando o Centro da cidade a paragens longínquas, como Santíssimo, e mesmo a outros municípios, a exemplo de Japeri e Guapimirim. Já são oitenta composições vindas do país asiático, e agora se anuncia que até o início de 2016 elas chegarão a 100. Dessa forma, cada vez mais ficam no passado, perto da aposentadoria, trens que vinham circulando desde a década de 50 do século XX. São máquinas que, hoje obsoletas e decrépitas, testemunharam acontecimentos marcantes da vida nacional. Estiveram perto tanto do palanque onde o presidente João Goulart fez, em março de 1964, o comício que de certa forma antecipou o golpe militar como das filmagens do premiado drama Central do Brasil, dirigido por Walter Salles, no fim dos anos 90. As estações também já serviram de palco a inúmeros movimentos grevistas. Tornou-se famosa a atuação do líder sindical Demisthoclides Baptista, o Batistinha, que em seus discursos costumava conclamar os ferroviários para as paralisações com a seguinte frase: “Quando os dois ponteiros do relógio da Central se encontrarem, meia-noite, nesse exato momento cruzaremos os braços”. Pelas contas da concessionária, o vaivém dos equipamentos comprados na década de 50 já ultrapassou uma quilometragem equivalente a 3 200 voltas na Terra. A frota atual faz 1 170 viagens por dia, levando e trazendo nos trilhos 670 000 passageiros, muitas vezes com aperto, esforçando-se para entrar pelas portas. Tal como ocorre agora, em vários momentos a ferrovia passou por reestruturações, e nas peças de propaganda sempre foram prometidos mais modernidade e investimentos. O anúncio reproduzido nesta página é um exemplo. Espera-se que desta vez os avanços não fiquem apenas no discurso publicitário, como acontecia no passado.

Anúncio da década de 70
Anúncio da década de 70: promessa de renovação do transporte sobre trilhos (Foto: Acervo Supervia)
Infográfico
Infográfico | Crédito: Redação Veja Rio

Fonte: VEJA RIO