EDIÇÃO DA SEMANA

Memória da Cidade

Achados em prédio de 1906 registros preciosos da evolução do transporte aquático no Rio

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

fotos acervo CCR Barcas
(Foto: Redação Veja rio)
fotos acervo CCR Barcas
(Foto: Redação Veja rio)

NAVEGANDO ATRAVÉS DO TEMPO

Ocupado desde julho de 2012 pela concessionária CCR, o prédio de número 21 da Praça XV, na Zona Portuária, erguido em 1906, tem 2?500 metros quadrados e reúne salas esquecidas, cantinhos pelos quais ninguém dava nada. E por isso mesmo guardam preciosidades, que só agora vêm sendo reorganizadas pelo setor de comunicação da empresa. Uma equipe que ainda remexe gavetas e baús descobriu fotos históricas (como a que mostra o movimento no Cais Pharoux, antigo nome da estação de embarque e desembarque), desenhos de barcas centenárias (Segunda, de 1862, e Imbuhy, de 1926) e até uma bandeira do Brasil empoeirada dentro de uma caixa ? acredita-se que tenha mais de 100 anos. A ideia é que o material seja catalogado e vire exposição permanente. Operando um sistema de transporte aquático com 21 unidades, a maior parte destinada ao vaivém diário entre Rio e Niterói, a CCR promoveu recentemente encontros com moradores da Ilha de Paquetá e promete melhorias no segundo semestre: o tempo de travessia vai diminuir de setenta para quarenta minutos em 80% das viagens, a maioria com ar-condicionado.

Fonte: VEJA RIO