DIVERSÃO

O melhor da programação

Selecionamos os 10 melhores programas do fim de semana para você se divertir muito

- Atualizado em

roteiro-exposicoes-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

CINEMA

✪✪✪✪ A DAMA DE FERRO, de Phyllida Lloyd (The Iron Lady, Inglaterra/França, 2011). Drama. A disputa pelo Oscar de melhor atriz vai ser boa. Enquanto Meryl Streep foi premiada em várias associações, incluindo o prestigiado Globo de Ouro, Viola Davis (de Histórias Cruzadas) ganhou no sindicato dos atores. Em sua 17ª indicação (mais um recorde!), Meryl está tão magnífica na pele de Margaret Thatcher que fica difícil encontrar outro desempenho à altura. Também se mostram surpreendentes a direção da inglesa Phyllida Lloyd (do decepcionante musical Mamma Mia!) e o roteiro de Abi Morgan (do ainda inédito Shame). Nele, Abi não se deteve numa biografia convencional: preferiu recorrer às lembranças da ex-primeira-ministra britânica sob o ponto de vista dela. A trama alterna passado e presente. Flagra Thatcher ainda na juventude (vivida por Alexandra Roach) como uma impulsiva estudante que, em 1959, elege-se parlamentar. Em sua escalada política, vira líder do partido conservador em 1975 e, quatro anos depois, torna-se primeira-ministra, a única mulher neste cargo na Inglaterra. Suas polêmicas ações no poder também são rememoradas no vaivém da narrativa. No tempo atual, a protagonista, já envergada pela idade e sob uma formidável maquiagem de envelhecimento (não à toa indicada ao Oscar), é tomada por lapsos de memória. Tanto na maturidade quanto na velhice da personagem, Meryl mostra uma interpretação extraordinária. Com Jim Broadbent (105min). 12 anos.

✪✪✪ O ARTISTA, de Michel Hazanavicius (The Artist, França/Bélgica, 2011). Depois de levar o troféu de melhor ator (para Jean Dujardin) no Festival de Cannes em 2011, a comédia dramática francesa criou um burburinho nos Estados Unidos, onde foi consagrada em várias premiações, incluindo o Globo de Ouro. Laureada também nos sindicatos dos produtores e dos diretores, desponta agora como favorita às principais estatuetas do Oscar. Se vencer, vai entrar para a história: trata-se de uma produção não americana, sem diálogos e em preto e branco. O que pode parecer monótono, ganha interesse a cada minuto. Um roteiro muito simples, com alguns intertítulos e conduzido apenas pela trilha sonora de Ludovic Bource, é desfiado com delicadeza. Nele, enfoca-se a trajetória de George Valentin (Dujardin, cotado para o prêmio de melhor ator). Astro de filmes mudos na Hollywood de 1927, Valentin, embora casado, se vê atraído pela dançarina e aspirante a atriz Peppy Miller (a graciosa Bérénice Bejo, indicada a atriz coadjuvante). A chegada do cinema falado, porém, trará um revés ao destino dos dois. Sem grandes pretensões nem voos altos, o diretor e roteirista Hazanavicius faz uma encantadora homenagem ao cinema, usando referências (talvez a maior delas seja ao clássico Cantando na Chuva) e desprezando firulas visuais e artifícios narrativos. Com John Goodman (100min). 12 anos. Estreou em 10/2/2012. Cinemark Downtown 5, Cinépolis Lagoon 1, Espaço Rio Design Barra VIP, Estação SESC Botafogo 1, Estação SESC Ipanema 2, Estação Vivo Gávea 2, Kinoplex Fashion Mall 2, Kinoplex Tijuca 3, Leblon 1, Roxy 1, São Luiz 2, UCI New York City Center 8, Unibanco Arteplex 6.

CARNAVAL

BAILE DO BOLA. A cada domingo, os anfitriões Silvério Pontes (trompete) e Zé da Velha (trombone) recebem convidados para esquentar o clima carnavalesco. Os próximos são a cantora e cavaquinista Nilze Carvalho e o rei das marchinhas João Roberto Kelly. Encerramento com a banda do Bola Preta. Centro Cultural Cordão da Bola Preta. Rua da Relação, 3, Lapa, ☎ 2240-8049. Domingo (12), 18h. R$ 20,00. www.bailedobola.com.br.

SARGENTO PIMENTA. Versões de Beatles em ritmos brasileiros são a arma do bloco. Sgt. Pepper?s virou maracatu, Hard Day?s Night, pancadão, All My Loving, marchinha, e I Wanna Hold Your Hand, samba-enredo. Fundição Progresso. Rua dos Arcos, 24, Lapa, ☎ 2220-5070. Sábado (11), 23h59. R$ 70,00. www.fundicaoprogresso.com.br.

SUVACO DO CRISTO. Um dos mais tradicionais da Zona Sul, o bloco ensaia na Lapa antes do desfile pela Rua Jardim Botânico. A bateria é comandada pelos mestres Filipão e Tião Belo. Teatro Odisseia. Rua Mem de Sá, 66, Lapa, ☎ 2266-1014. Sexta (10), 22h. R$ 28,00. Cc: todos. Cd: todos. www.matrizonline.com.br.

CRIANÇAS

SESSÃO CRIANÇA. Dirigido pelo francês Luc Besson, Arthur e a Vingança de Maltazard (2009), em versão dublada, é a atração do próximo fim de semana na sessão de cinema infantil do CCBB. O longa é continuação do sucesso Arthur e os Minimoys, filme de 2006 baseado no livro homônimo. Centro Cultural Banco do Brasil ? Sala de Cinema (102 lugares). Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Sábado (11) e domingo (12), 14h. Grátis. Senhas distribuídas uma hora antes, exclusivamente para crianças acompanhadas dos responsáveis.

EXPOSIÇÃO

NAN GOLDIN. Nome influente, e controverso, da arte contemporânea, Nan Goldin, 58 anos, realizaria sua primeira individual no Brasil em janeiro. Endereço inicial da mostra, o Oi Futuro recuou depois da constatação de que algumas obras da artista americana trazem imagens de crianças nuas. "Em quase todos os slideshows aparecem crianças, nuas ou não, que são filhos de seus amigos. Ela sempre fotografou as pessoas à sua volta", afirma Ligia Canongia, que divide a curadoria da exposição com o historiador de arte Adon Peres. O público vai poder tirar suas próprias conclusões quando Heartbeat abrir as portas, na quinta (9), no Museu de Arte Moderna.

Serão exibidas 1?134 fotografias feitas desde os anos 70, na maioria projetadas em slideshows. Completam o acervo quinze impressões em médios formatos. Integrantes da série Paisagens, são delicados registros como Jesus no Rio, de 1997, retrato do Cristo Redentor envolto em nuvens, e Vulcão na Aurora (1996) ? o famoso Stromboli, na Itália. Os slides, e o universo marginal que envolvem, são, no entanto, a parte consagrada de sua produção. The Ballad of Sexual Dependency, o mais importante dos slideshows, será mostrado com todas as suas 720 unidades. Também vêm ao Rio os 230 retratos de The Other Side, feitos com drag queens de países diversos entre 1972 e 1992. Da coleção do Centro Georges Pompidou, em Paris, vem o conjunto que dá nome à mostra: nele, 245 flagrantes de casais em variados momentos afetivos compõem uma narrativa cinematográfica. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. R$ 8,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Pessoas com mais de 60 anos pagam R$ 4,00. Grátis para amigos do MAM e menores de 12 anos. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 8,00 por grupo. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até 8 de abril. A partir de quinta (9). www.mamrio.com.br.

VIVENDO NO VERMELHO. Inaugurada em outubro do ano passado, a galeria Graphos: Brasil, em Copacabana, está apenas na terceira exposição ? e no terceiro acerto. Depois de abrigar individuais de Ivan Cardoso e Jorge Fonseca, o espaço no segundo andar do centro comercial conhecido como shopping dos antiquários surpreende com uma coleção unida pela presença do vermelho. São sessenta trabalhos produzidos por dezenove criadores de nove países. De Anish Kapoor é exibida uma rara litografia ? até hoje, o artista indiano, naturalizado inglês, famoso pelas esculturas de grandes dimensões, só incursionou pelas artes gráficas em duas séries. Vik Muniz comparece com a cativante foto Lengiz! After Ródtchenko ? Gordian Puzzle. Surpreendem ainda as obras de autores anônimos concentradas na Sala Chinesa, dominada por uma instalação de dezesseis esculturas de louça e estilo kitsch. Walter Goldfarb, outro dos brasileiros escalados, provoca impacto com a imensa pintura Do Flagelo e de Eros XII, inspirada na Pietà do italiano Giovanni Bellini (1430-1516).A partir de R$ 2?500,00. Graphos: Brasil. Rua Siqueira Campos, 143, 2º piso, Copacabana, ☎ 2256-3268, ? Siqueira Campos. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 11h às 18h. Grátis. Até 17 de março. Fecha às 14h no sábado (18).

SHOW

ABAYOMI AFROBEAT ORQUESTRA. Criada pelo nigeriano Fela Kuti, a mistura de música eletrônica e jazz com ritmos africanos é o fio condutor da apresentação. Em cena chamam atenção alguns instrumentos tradicionais daquele continente trazidos do Senegal pelo percussionista Alexandre Garnizé. Entre eles, o balafon, tido como o ancestral do xilofone. 18 anos. Studio RJ (400 pessoas). Avenida Vieira Souto, 110, 1º andar, Ipanema, ☎ 2523-1204, ? General Osório. Sábado (11), 22h30. R$ 60,00. www.studiorj.org.

PARAPHERNALIA E NOVA LAPA JAZZ. Atrações do último fim de semana do projeto Ouve.AI, as duas bandas tem propostas bem diferentes. A primeira reúne oito integrantes, entre eles o contrabaixista Alberto Continentino e o trombonista Marlon Sette, e bebe do som dos anos 70 para criar petardos instrumentais dançantes que fazem parte do recém-lançado Ritmo Explosivo. Já o Nova Lapa Jazz aposta num som mais convencional e dedica-se a standards. É formado por Iuri Nicolsky (saxofone), Gabriel Ballesté (guitarra), Eduardo Santana (trompete), Antônio Neves (bateria) e Pablo Arruda (baixo). 14 anos. Oi Futuro Ipanema (120 lugares). Rua Visconde de Pirajá, 54, Ipanema, ☎ 3201-3010, ? General Osório. Sexta (10) e sábado (11), 21h. R$ 20,00. www.oifuturo.org.br.

Fonte: VEJA RIO