CARNAVAL

Marquês de Sapucaí comemora 30 anos com festa

Neste domingo (23), festa comemora o aniversário do Sambódromo com a presença de escolas da Série A e do Grupo Especial

- Atualizado em

sapucai.jpg
| Crédito: Redação Veja rio

Neste domingo (23), às 19h, uma grande festa comemorará o aniversário de 30 anos da Marquês de Sapucaí, com a participação de integrantes de todas as escolas de Samba dos grupos A e Especial. O público que estiver presente poderá assistir a um belo cortejo comemorativo e receber a bênção de Padre Jorjão. A entrada é franca.

A festa terá início com a já tradicional lavagem da pista do Sambódromo. Este ano, a chegada das mães de santo - lideradas por Maria Moura, tradicional baiana da Imperatriz Leopoldinense - será anunciada pelo rufar de tambores e pela fanfarra de clarins. Elas limparão a pista com água de cheiro usando vassouras feitas de ervas. Em seguida, um cortejo apresentado pelo ator Milton Gonçalves ocupará o espaço, trazendo a imagem de São Sebastião.

O evento promete emocionar o público com a apresentação de todos os casais de mestres-salas e porta-bandeiras das escolas do grupo especial e Série A, que dançarão ao som de grandes sambas-enredos que mararam o carnaval carioca. A seleção, que ficou a cargo do cantor e compositor Dudu Nobre, é composta por músicas que integram o DVD lançado recentemente pelo artista "Os mais lindos sambas-enredos de todos os tempos". Uma bateria formada por 120 ritmistas de diferentes escolas conduzirá o batuque.

O cortejo contará ainda com a participação de um grupo de crianças, que representarão o futuro do samba, além de 35 casais que retratarão as velhas-guardas das escolas, lembrando a tradição do Carnaval. Em seguida, 30 baianas carregarão palmas brancas e vermelhas, defumando a Sapucaí com incenso. Para demonstrar todo o sincretismo religioso brasileiro, Padre Jorjão abençoará a Sapucaí rezando o Pai Nosso junto ao público, já Tia Nilda, da Mocidade Independente de Padre Miguel fará uma oração. Xangô e Iansã, os orixás que regem o ano de acordo com as religiões afro-brasileiras, serão saudados ao som de seis atabaques.

Fonte: VEJA RIO