sociedade

Maria Beatriz de Orleans e Bragança e Glória Severiano Ribeiro

Integrantes da alta-roda carioca, elas arregaçam as mangas e fazem da filantropia uma atividade rotineira

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

pessoas19.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Elas têm ascendência poderosa, mas, em vez de se acomodar com o bem-bom do berço esplêndido, preferiram pautar sua vida pela máxima jobiniana de que ?é impossível ser feliz sozinho?. O trabalho social faz parte da atividade rotineira de Glória e Maria Beatriz, que circulam por paróquias e creches. A primeira é casada com Luiz Severiano Ribeiro, dono de um império de cinemas com mais de 200 salas pelo país. A outra, como mostra seu sobrenome, é tataraneta da princesa Isabel. Popular entre seus pares e carismática, Glória demonstra habilidade para reunir pessoas em prol de causas sociais. Católica praticante, costuma usar sua influência e o vasto círculo de amizades na alta-roda carioca para estimular doações e gestos filantrópicos. A jovem segue caminho semelhante e sempre que pode vai contar histórias às crianças de uma creche e conversar com elas. Na infância, Maria Beatriz viajava para a fazenda da família em Vassouras, no interior do estado, onde brincava com dezenas de primos. Hoje, leva uma vida comum: estuda direito e faz estágio num escritório de advocacia. O noviciado profissional deu a ela uma noção mais clara sobre como funciona o mundo. ?Agora, sempre que vou comprar algo, penso em quantos dias terei de trabalhar para poder pagar com meu próprio dinheiro?, diz a moça, que pode ser vista tanto à mesa do Sushi Leblon como na pista do bar Londra e mesmo em jogos de futebol, na torcida pelo Fluminense.

Fonte: VEJA RIO