cidade

Entenda as ameaças a Marcelo Freixo

Deputado estadual, que presidiu a CPI das milícias, em 2008, anuncia que vai passar temporada no exterior após descoberta de plano para matá-lo

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

Oscar Cabral
(Foto: Redação Veja rio)

Em entrevista à rádio BandNews na manhã desta segunda (31), o deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, anunciou que ele e sua família vão deixar o Brasil a convite da Anistia Internacional na próxima terça. A decisão foi motivada após o parlamentar receber, apenas no último mês, sete ameaças de morte feitas por milicianos. A intimidação parte de grupos paramilitares que controlam favelas da Zona Oeste e da Ilha do Governador. A recompensa pela morte de Marcelo chegaria a R$ 400 000.

O deputado precisa ser escoltado por seguranças desde 2008, quando presidiu a CPI das milícias. A comissão parlamentar foi criada após o sequestro de jornalistas do jornal O Dia durante uma reportagem na favela do Batan, em Bangu. A investigação foi responsável pelo indiciamento de 225 acusados de pertencer às organizações paramilitares, em sua maioria bombeiros, policiais militares e civis. Nos últimos três anos, também foram feitas 500 prisões no estado do Rio de acusados de ligação com os grupos fora da lei.

Entre os políticos envolvidos, o ex-vereador Cristiano Girão continua preso por sua ligação com a milícia da Gardênia Azul, comunidade de Jacarepaguá. As cifras reveladas no caso de Cristiano dão uma ideia do poder financeiro das milícias. Entre os anos de 2003 e 2007 ele movimentou 2,2 milhões de reais e, apenas no ano de 2006, seu patrimônio cresceu 325,02%, segundo investigação feita pelo Ministério Público.

As milícias ganharam força no estado no final dos anos 90. Sua base financeira cresceu com as deficiências do estado e da iniciativa privada de prover serviços em áreas carentes. Entre as atividades de maior lucro estão a exploração de TVs a cabo, controle no comércio de botijões de gás e a cobrança de taxas no transporte alternativo feito por vans. Freixo afirmou que pretende voltar em breve ao país, antes mesmo do fim do ano. E que não vai recuar no combate a tais grupos, que considera piores que o tráfico. "Agradeço toda solidariedade, não vou recuar. Voltarei ainda esse mês, preciso preservar um pouco minha família e ajustar minha segurança", disse ele através do Twitter.

Na ficção, o deputado inspirou o personagem Diogo Fraga no filme Tropa de Elite 2. Na trama, ele também sofre ameaças de morte de milicianos ligados intimamente a políticos. A causa tornou Freixo popular na cidade, sendo o segundo deputado estadual do Rio mais votado nas eleições de 2010, com 115 mil votos. Após o anúncio da viagem forçada, internautas criaram o tópico Força Freixo no Twitter, que ficou entre os assuntos mais comentados durante toda a manhã no microblog.

Fonte: VEJA RIO