DIVERSÃO

Manual da escalada

Por onde quer que se olhe, há montanhas das mais diferentes alturas na paisagem carioca. Como poucos no mundo, o Rio tem paredões de pedra ideais para a saudável prática da escalada. Confira quais são os locais mais indicados e as escolas que ensinam a prática do alpinismo

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

escalada.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Dividido ao meio pelo enorme Maciço da Tijuca e cercado por morros que compõe uma das mais belas paisagens urbanas do planeta, o Rio é uma cidade com características singulares que favorecem a prática do alpinismo. São paredões de pedra como o Pão de Açúcar, a Pedra da Gávea, o Morro Dois Irmão e o Bico do Papagaio, que possuem graus de dificuldade que vão do fácil, ideal para principiantes, até opções radicais, somente para atletas com experiência. As temperaturas amenas desta época do ano são um convite a mais para subir uma montanha e admirar as belezas da cidade em ângulos diferentes dos habituais. Confira abaixo as rotas mais populares, as escolas que ensinam técnicas de alpinismo e o investimento necessário para a prática do esporte.

Nem todos os cariocas sabem, mas há empresas especialistas em montanhismo na cidade. A prática é regulamentada pela Associação de Guias Profissionais de Escalada do Rio (www.aguiperj.org.br). Na empresa A5 Escalada (www.a5escalada.com.br), uma subida realizada no período de 1 a 3 horas custa R$ 150,00 por pessoa. Preço que inclui a ajuda do instrutor e o equipamento utilizado. Se a ideia for conhecer melhor o esporte, a agência conta com um curso básico de oito aulas ao preço de R$ 1.200,00. Criado há 40 anos, o Centro Excursionista da Guanabara (www.guanabara.org.br) é referência na área. Um ciclo de aulas básico conta com oito sessões teóricas e oito práticas (divididas entre campos-escolas, escaladas e caminhadas), no valor de R$ 600,00. Na Companhia da Escalada (www.companhiadaescalada.com.br), há um programa de alpinismo mais leve, voltado especialmente para crianças.

barra.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Nenhum bairro reúne tantas opções de trilhas para montanhismo como a Urca e quem deseja uma experiência mais radical pode optar por subir o Pão de Açúcar. Somente nele são 102 vias possíveis e algumas contam com paredões de rocha de 80 metros de altura. Pendurado sob o mar, o alpinista tem uma vista deslumbrante e o percurso demora três horas. A montanha que é símbolo do Rio tem também opções para iniciantes, não sendo necessário nenhum conhecimento prévio em montanhismo. No bucólico bairro da Zona Sul há ainda opções como o Morro da Urca, da Babilônia, Pedra do Urubu e Parede dos Ácidos.

Outro trecho da cidade privilegiado para a o montanhismo é o Parque Nacional da Tijuca. Segundo o Guia de Escaladas da Floresta, de Flávio Daflon e Delson Queiroz (Editora Companhia da Escalada), são 362 rotas dentro da área verde, que levam ao topo de 30 picos, como Corcovado, a Pedra Bonita e Tijuca. Meta de todos os praticantes de alpinismo, a Pedra da Gávea encontra-se na mesma área e para alcançar o topo demora-se um dia inteiro. Há vias horizontais e, na face leste,exige-se esforço máximo para superar um paredão de 470 metros. Se o desafio assusta, a dica é seguir para a Agulhinha da Gávea. Com grau de dificuldade bem menor, a montanha entre o mar e a floresta oferece visual deslumbrante e o percurso de subida e descida pode ser concluído em quatro horas.

Fonte: VEJA RIO