Violência

Juíza decreta prisão de suspeito de assassinato na Estação Uruguaiana

Edvardo Costa é acusado de ter matado Alexandre de Oliveira durante um assalto na última sexta (10)

Por: Agência Estado

Metrô Rio
MetrôRio: investigação apontará se concessionária falhou ou não na segurança (Foto: Divulgação/Riotur)

Rio de Janeiro - A Justiça do Rio decretou a prisão temporária, por 30 dias, de Edvardo Camelo Costa, acusado de ter matado o auxiliar de serviços gerais Alexandre de Oliveira, de 46 anos, durante assalto na estação de metrô Uruguaiana, no centro do Rio, na última sexta-feira, 10. A juíza Maria Isabel Pena Pieranti acatou pedido da Polícia Civil e ressaltou, em sua decisão, que o latrocínio (roubo seguido de morte) cometido foi mais uma "eloquente demonstração da desavergonhada criminalidade urbana que vem assolando, assustadoramente, esta cidade".

"A cada nova ocorrência similar vê-se que não se intimidam os delinquentes em agir em locais públicos, providos de câmeras e de vigilantes, muito movimento, à luz do dia. Covardemente audaciosos e vorazes, buscam o ganho fácil, mesmo que a vítima seja pessoa humilde e de parcos recursos. O finado Alexandre de Oliveira era um simples office-boy que trabalhava fazendo depósitos e saques bancários", escreveu a magistrada.

O crime

Por volta das 13h de sexta-feira, 10, Oliveira foi abordado por três bandidos, um deles armado, na bilheteria da estação, uma das mais movimentadas do centro da cidade. Ele foi sepultado na tarde do último sábado, 11, no Cemitério São Francisco de Paula, no Largo do Catumbi, zona central da cidade.

"Ao que parece, não houve reação, apenas o ato reflexo de segurar a mochila", contou o delegado Rivaldo Barbosa, chefe da Divisão de Homicídios. Com isso, um dos bandidos disparou, atingindo Oliveira no tórax e no pescoço. O bando fugiu com a mochila da vítima, que morreu no local.

Nesta segunda-feira, 13, o Procon Estadual abriu um processo administrativo para investigar a responsabilidade da concessionária MetrôRio no assalto. O objetivo é verificar se houve falha na segurança da estação Uruguaiana.

Fonte: VEJA RIO