DIVERSÃO

Jardins do Rio

Listamos os mais belos espaços verdes da cidade. Confira o roteiro e aprecie as espécies mais comuns nos jardins cariocas

Por: Louise Peres - Atualizado em

jardimbotanico_flor.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Com a chegada da primavera, no domingo (23), espera-se também que apareçam as cores, formas e texturas que, no nosso imaginário, representam esta época do ano: flores, muitas flores. Não espere, no entanto, ver no Rio aqueles cenários dignos de filme, com extensos campos repletos de espécies enormes, coloridas e perfumadas. ?Isso só existe no hemisfério norte, onde as estações são muito bem demarcadas. Por aqui, a maioria das florações são no verão, respondendo às chuvas da época?, explica o biólogo Claudio Nicoletti, pesquisador do Jardim Botânico do Rio.

Mesmo que o início da estação não traga uma avalanche florida da primavera europeia, os cariocas ainda podem se deleitar com a beleza de espécies mais comuns por aqui, como vitórias-régias, ninfeias e bougainvilles. A vegetação de Mata Atlântica, predominante na cidade, conserva alguns símbolos desta época do ano. O mais comum deles é o ipê. ?É uma espécie que floresce no clima frio e ainda seco, muito comum nas praças e parques cariocas?, explica Nicoletti.

O biólogo chama ainda a atenção para outra peculiaridade da nossa flora típica. ?Se as árvores são imensas e frondosas, as flores são pequenas e delicadas?, aponta. Neste início de primavera, pratique esse exercício: acompanhe e perceba como, aos poucos, esses pequenos pontos de cor vão se espalhando e alegrando os galhos da cidade.

jardin_5.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Por onde começar? Confira abaixo uma seleção de belos jardins e coleções vivas espalhados pelo Rio.

Jardim Botânico

Em 54 hectares cultivados, abriga 9 mil espécimes de vários lugares do mundo. Tamanha coleção viva torna o Jardim Botânico o lugar perfeito para apreciar espécies bonitas, exóticas e interessantes no Rio. Há desde bromélias e orquídeas a vitórias-régias, ipês rosas, brancos e amarelos.

Rua Jardim Botânico, 1008, Jardim Botânico, tel. 3874-1214.

jardins_3.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Aterro do Flamengo

Olhares atentos vão encontrar, já neste início de primavera, belas espécies ao longo do Parque do Flamengo. Entre elas, o chichá-fedorento, de um bonito vermelho vivo. Outra espécie vermelha comum ali é a Bombax malabaricus, de cor intensa e superfície brilhante.

Parque do Flamengo, s/n.

Sítio Burle Marx

Antiga residência do paisagista e arquiteto Roberto Burle Marx, em Barra de Guaratiba, o sítio conserva cerca de três mil e quinhentos exemplares cultivados, com espécies de mata atlântica, manguezal e restinga. Vale uma visita para conhecer a coleção de plantas do antigo morador.

Estrada Roberto Burle Marx, 2019, Barra de Guaratiba, tel. 2410-1412.

Instituto Moreira Salles

No centro cultural, na Gávea, os jardins projetados por Burle Marx concorrem com as atrações em cartaz, de tão bonitos.

Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, tel. 3284-7400.

jardins_1.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Palácio do Itamaraty

Antiga sede do governo republicano (1889-1898) e sede do Ministério das Relações Exteriores, a construção cor de rosa é rodeado por um belo jardim de palmeiras altíssimas e árvores frondosas.

Avenida Marechal Floriano, 196, Centro.

jardins_2.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Quinta da Boa Vista

Entre as árvores do parque, são comuns as palmeiras tropicais. Também há por lá a espécie vulgarmente chamada de bougainville, de flores de tonalidades rosadas e arroxeadas.

Quinta da Boa Vista, s/n, tel. 2234-1181.

Fonte: VEJA RIO