COTIDIANO

O Leblon de Jacarepaguá

Com a construção de imóveis de alto padrão, o bairro da Freguesia desponta na região onde foi erguida uma de cada quatro novas unidades do Rio no ano passado

Por: Thaís Meinicke - Atualizado em

Felipe Fittipaldi
(Foto: Redação Veja rio)

Poucas áreas do Rio sofreram uma transformação recente tão grande quanto a Freguesia, na Grande Jacarepaguá. Marcado até alguns anos atrás pelo casario baixo, pelo comércio tímido e por um certo ar de cidade do interior, o bairro mudou radicalmente seu perfil. Agora, assomam na paisagem prédios imponentes, conjuntos residenciais planejados e centros comerciais com ampla oferta de serviços. Um passeio por suas ruas revela uma série de empreendimentos recém-inaugurados ou em construção, com a proliferação de condomínios dotados de academia, parquinhos, salão de festa e até cinema. Segundo dados da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ), um de cada quatro imóveis lançados na capital em 2012 ficava em Jacarepaguá. Das pouco mais de 5?000 unidades ali erguidas, 1?500 delas tinham como endereço a Freguesia. Devido ao boom de imóveis de alto padrão, aquele trecho vem sendo chamado de "Leblon de Jacarepaguá". Não por acaso, no período entre junho do ano passado e junho deste ano, o metro quadrado na Freguesia valorizou-se 20%, uma taxa semelhante à verificada no Leblon e maior do que a registrada em todos os demais bairros da Zona Sul.

O bota-acima a que assistimos no local é um desdobramento da expansão imobiliária pela Zona Oeste, que se iniciou na década de 80 na Barra da Tijuca, avançando rumo ao Recreio e, mais recentemente, se difundiu na Baixada de Jacarepaguá. Alguns fatores convergiram para essa ocupação, impulsionada por uma mudança na legislação municipal. O boom começou em 2004, quando a prefeitura aprovou o Projeto de Estruturação Urbana que flexibilizou os parâmetros de construção na zona que engloba Pechincha, Taquara, Tanque e Freguesia. Essa última, encarada como o filé-mignon e que há muito atrai os abonados das redondezas, ganhou um impulso maior. "A Freguesia sempre se destacou naquela área. Era natural que chamasse mais a atenção dos investidores", avalia o subprefeito da região, Tiago Mohamed. Contribuiu também o fato de aquele trecho urbano ficar próximo a vias de grande circulação, como a Linha Amarela e a Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá. Até 2015, a malha viária será ampliada com a abertura da Transolímpica (Recreio-Deodoro) e da Transcarioca (Barra-Galeão). "Quando o governo decidiu apostar na Barra como eixo central e deslocou para lá investimentos de acesso e infraestrutura, toda a vizinhança foi valorizada e foram criadas novas minicentralidades, entre elas a Freguesia", afirma o urbanista Luiz Fernando Janot, professor da UFRJ.

cidade-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O efeito mais evidente da ampliação da oferta de imóveis é o aumento populacional. Numa comparação entre o Censo demográfico de 2000 e o de 2010, a Freguesia cresceu de 54?000 para 70?000 moradores. Esse índice, em torno de 30%, é o triplo do verificado nos bairros vizinhos. Entre aqueles que migraram para lá está a gerente comercial Luciana Calhau, que trocou um apartamento em frente à Praia do Recreio por outro em um condomínio na Rua Araguaia, uma aprazível via arborizada e repleta de prédios novos, que, não sem razão, é o ponto mais valorizado do bairro. "Tinha comprado o imóvel como investimento, mas quando vi a obra pronta decidi me mudar", diz ela. Como aplicação, foi também um ótimo negócio. Em três anos, seu imóvel valorizou-se 40%. Hoje, um apartamento de 100 metros quadrados por ali está na faixa de 550?000 reais. "É uma área que está crescendo muito. Temos todos os serviços por perto", explica Luciana. A chegada de novos negócios não para. Proprietária de seis condomínios residenciais, a construtora Fmac acaba de lançar seu primeiro endereço comercial naquele pedaço. "Para suprir a demanda, nosso empreendimento foi projetado com praça de alimentação, lojas mais sofisticadas e espaço para happy hour", diz Flavio Machado, diretor da empresa.

Se os lançamentos em profusão são sinal de progresso e trazem inegáveis benefícios, é preciso ter cuidado para evitar o crescimento desordenado que periga pôr em risco todas as qualidades da região. Para evitar a saturação e buscar soluções de infraestrutura, a prefeitura editou em 16 de maio um decreto que suspende por sessenta dias o licenciamento para novas construções. A decisão foi comemorada pelos moradores mais antigos do bairro, cuja origem remonta a 1661, quando foi criada a Freguesia de Nossa Senhora do Loreto e Santo Antônio de Jacarepaguá, uma das primeiras povoações do Rio. Entre o charme do passado, a pujança do presente e a precaução com relação ao futuro, a Freguesia busca o equilíbrio.

Fonte: VEJA RIO