COTIDIANO

Igreja de São Francisco da Prainha reabre para visitação

Construído há 318 anos, santuário na Zona Portuária é reaberto ao público após uma década fechado por problemas de conservação

- Atualizado em

igreja.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Uma das principais relíquias de arquitetura barroca do Rio, a Igreja de São Francisco da Prainha, construída há 318 anos, acaba de abrir as portas a cariocas e turistas. O santuário localizado no Morro da Conceição, na Zona Portuária, estava fechado há 10 anos devido a problemas de conservação. Agora, reabre ao público interessado em acompanhar sua restauração. As visitas podem ser feitas aos sábados e domingos, entre 10h e 16h, no Adro de São Francisco, na Saúde. O passeio é conduzido por guias que explicam detalhes da obra e contam a história da igreja, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como monumento artístico devido ao seu valor histórico-cultural. Nos dias de jogos do Brasil na Copa do Mundo não há visitação.

A reabertura, no entanto, ainda é temporária. Após o último fim de semana de julho, o imóvel será fechado novamente à visitação para ser reaberto em definitivo em dezembro. A restauração da igreja integra o Programa Porto Maravilha Cultural, que tem o objetivo de preservar os patrimônios artístico e histórico dos bairros da Região Portuária.

Em meio às obras de recuperação arquitetônica, a exposição Canteiro Aberto reúne fotos e painéis que descrevem a metodologia empregada na restauração. Um telão no centro do altar principal exibe fotografias cedidas por moradores e frequentadores do templo, com imagens de batizados, casamentos e quermesses. Os momentos da vida religiosa dos fiéis vão ilustrar o livro As memórias da igreja, previsto para ser lançado após o término das obras.

Construída pelo Padre Francisco da Motta em 1696, a Igreja São Francisco da Prainha foi doada em testamento à Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, em 1704. Palco de uma batalha épica no século 18, a Igreja São Francisco da Prainha foi destruída por um incêndio durante a expulsão dos franceses comandados por Jean-François Duclerc, em 1710. Por ordem do governador Castro Morais, a igreja e o trapiche (armazém perto do cais onde eram guardadas mercadorias) foram incendiados para acelerar a rendição dos inimigos dos portugueses. De acordo com a Igreja Católica, em 4 de novembro de 1738, a nova capela foi construída no local da antiga para atender ao grande número de fiéis. A nova Igreja de São Francisco da Prainha ficou pronta em 1740.

museu.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Fonte: VEJA RIO