EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

A Barra na tela

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Entra em cartaz na sexta (9) o documentário Sorria, Você Está na Barra, de Izabel Jaguaribe -- diretora de Corpo do Rio, sobre praias, e de Meu Tempo é Hoje, que conta a vida de Paulinho da Viola. Com depoimentos exclusivos e imagens da natureza, de shoppings e condomínios, Izabel traça um perfil do bairro que mais cresce na cidade. Logo no início, ela joga na tela números que deixam claro como pode ser bom e ao mesmo tempo ruim morar ali, uma região que em 2000 tinha 220 000 habitantes, mas que, segundo projeções, juntará cerca de 1 milão de pessoas já daqui a sete anos. Confira algumas frases dos entrevistados do filme.

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
"Aqui não se tem perna, aqui se tem roda. Na Barra, se o cara não possuir carro, ele não vai a lugar nenhum."

Dudu Nobre, sambista

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
"Poder olhar o horizonte, enxergar 500 metros para a frente, isso a Barra ainda tem, e a Zona Sul não tem mais."

Eduardo Paes, prefeito

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
"Há uma relação de amor e ódio com o bairro. Por exemplo, adoro ir à praia, mas nunca no verão ou nas férias."

Letícia Spiller, atriz

Olhar aguçado

historias-cariocas-07.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

"A Lagoa Rodrigo de Freitas é bela, mas seu charme mostra-se proporcional ao ritmo

da corrida, pois se você desacelera vem logo um cheiro ruim." A frase faz parte das impressões da americana Julia Michaels em Solteira no Rio de Janeiro, lançado pela Editora Alfa. Moradora de Ipanema, ela veio de Washington há dezoito anos. Na década de 90 viu o filme que inspirou o título de seu livro, em que desfia louvores à boa forma e à beleza dos cariocas. "Estava casada na época, nem pude aproveitar as dicas", diz.

Japa de praia

Quem frequenta o Posto 9 tem novo mimo: a comida japonesa da rede Bentô, que chega à areia em embalagem que não compromete a crocância da alga, pois, sem contato com o arroz, ela não fica úmida. O velho "Olha o mate!" agora ganha concorrência do "Olha o temaki!". Veja abaixo como é.

his.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

1 - A alga (nori) é envolvida por um plástico bem flexível, que abre também com facilidade.

2 - Uma posta de arroz (com salmão, frango ou atum) é colocada sobre o invólucro já fechado.

3 - Monta-se um triângulo, e em nenhum momento há contato do arroz com a alga.

4 - Embalagem pronta, os funcionários da loja saem pela praia oferecendo a unidade por 10 reais.

5 - Tiram-se os selos das laterais e, quando se abre o invólucro, forma-se um sanduichinho.

A Escola Roberto Civita

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Com a presença do prefeito Eduardo Paes e da secretária municipal de Educação, Claudia Costin, foi inaugurada na quinta (1º) a Escola Municipal Roberto Civita. Batizada com o nome do editor e presidente do Conselho de Administração do Grupo Abril, que faleceu em maio, a unidade acolherá 550 estudantes e fica em Santa Cruz. "Roberto Civita apostou no futuro e acreditava na educação. Nada seria mais a cara dele do que colocar o seu nome numa escola", afirmou Claudia.

A regra é cara

historias-cariocas-08.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Um curso de 99 horas sobre gestão esportiva deve lotar as salas do Instituto Brasileiro

de Mercado de Capitais (Ibmec), na Barra, a partir do dia 19. Estrelas do ramo, como Maurício Assumpção, presidente do Botafogo, e Rodrigo Caetano, diretor do Fluminense, estão na empreitada e darão palestras. O mote é "futebol se aprende na escola". Como público-alvo, gente de marketing e executivos de empresas patrocinadoras. Custa 6 125 reais.

Fonte: VEJA RIO