EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

Uma obra nas alturas

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Pelos próximos quatro meses, o carioca terá de driblar tapumes quando for ao Mirante da Vista Chinesa, na Floresta da Tijuca, de onde se avista a cidade a 380 metros de altura. Madeirames já escondem parte da beleza do monumento, sem no entanto impedir sua visitação. Fez-se necessária uma reforma, que vem sendo apresentada pela prefeitura como a maior desde a inauguração, em 1903. Orçada em 415 000 reais, a obra deve acabar com os estragos causados por materiais inadequados usados em restaurações passadas, feitas no estilo tapa-buraco. A cor do pagode também mudará: sai o amarelo, entra o verde. Em destaque os três principais problemas.

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A moeda da discórdia

Como parte do Ano de Portugal no Brasil, foi aberta nesta semana, no Museu Histórico Nacional, na Praça XV, uma exposição de moedas e barras de ouro trazendo pela primeira vez à cidade a coleção de numismática do Banco Espírito Santo, de Lisboa. São 150 peças no total, algumas delas jamais exibidas -- a maior parte repousa há séculos em cofres. O item mais importante é conhecido como "a peça da coroação", ou 1822+R. Cunhada em ouro após a independência, teve somente 64 exemplares produzidos. Hoje restam dezesseis. O imperador mandou parar as máquinas da Casa da Moeda do Rio (o "R" vem daí) por não ter aprovado alguns detalhes. Confira abaixo os motivos.

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O palco de um superatleta

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O arroz de festa mais veloz do mundo é Usain Bolt, atleta jamaicano que veio ao Rio em outubro para divulgar uma marca de tênis e está pintando de novo por aqui. Agora correrá. No próximo domingo (31), disputa a prova que fecha um evento inédito chamado Mano a Mano, com quatro raias apenas -- o desenho mostra como será a pista de 150 metros, vinda da Suíça, que está sendo montada na orla de Copacabana, na altura da Avenida Princesa Isabel, com arquibancada e areia gratuitas. Ele diz que, desta vez, não rola night. Almoça, janta e, na véspera, dorme cedo no hotel.

Números para festejar

Um ano atrás, em 22 de março de 2012, era aberta, com show de Gal Costa, a Miranda, casa de shows na Lagoa que se notabiliza por espetáculos compactos -- o palco não é dos maiores --, mas sempre sofisticados e bem produzidos. Neste sábado (23) tem João Donato. Marina canta na terça (26). O curioso é que, mesmo com o lugar já devidamente integrado à agenda cultural do Rio, muitos cariocas não perceberam que o nome homenageia a cantora Carmen Miranda. Pensam ser o sobrenome da dona do espaço, ou até do dono, que seria o tal Miranda. Abaixo, números que traduzem o sucesso da casa.

historias-cariocas-06.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Memória da cidade

Esta foto, do início dos anos 80, mostra uma das encenações do Auto da Paixão de Cristo, na Lapa. De lá pra cá, sempre na noite de Sexta-Feira Santa, um público que costuma ultrapassar a marca de 30 000 espectadores se reúne na frente dos Arcos para acompanhar a teatralização de passagens bíblicas como a Santa Ceia e a crucificação. Desta vez estão previstas algumas surpresas: a montagem terá jeitão de musical, com números inspirados em peças como Godspell e Jesus Cristo Superstar. A direção é de Rubens Lima Júnior e, puxando o elenco, Rodrigo Cirne, de Beatles num Céu de Diamantes. Será no dia 29, a partir das 19 horas.

Fonte: VEJA RIO