EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

O jantar inclui a piscina

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Chique toda vida, o lounge na cobertura do Hotel Fasano, na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, até a semana passada só abria até as 8 da noite e era um lugar disponível apenas para os hóspedes. Agora passa a fechar à 1 da manhã, de quinta a sábado, e ? novidade maior ? pode também ser frequentado pelos clientes do restaurante Fasano Al Mare, no térreo do prédio. Mas que ninguém pense em ir da rua diretamente para o reservado 8º andar. O controle é absoluto: checam-se as reservas, verificam-se as comandas pagas no restaurante e só aí o comensal é encaminhado ao elevador. Não vai sozinho. Um funcionário da casa precisa acompanhá-lo até a beira da piscina. Sócios no empreendimento, Alexandre Accioly e Rogério Fasano acreditam que a medida vai estimular a interação dos turistas com os cariocas.

Choque de realidade

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Uma mistura de referências do Carnaval carioca com os bailes de máscaras franceses permeia o imaginário da pintora Agathe Cornet-Vernet, 43 anos. Ela desembarcou no Rio no domingo passado (3), vinda de Paris, querendo conhecer o Sambódromo e a folia dos blocos. Irmã do chef Pierre Cornet-Vernet, da doceria Paradis, de Copacabana, Agathe já produziu seis telas sobre a cidade (expostas, em reproduções, a partir desta semana na Galeria 1618, no Leme), mas nunca tinha estado aqui ? o que sabe acerca da cidade vem dos papos com seu frère confeiteiro e das buscas na internet. ?Finalmente vou confrontar o Rio que imaginei e pintei com o Rio real?, ela diz. O quadro ao lado se chama Masquerades e custa 960 reais na mostra.

A areia como passarela

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

No que pode resultar a parceria entre uma empresa de tecidos e uma fábrica de picolé? Numa linha de uniformes para ambulantes de praia, é claro. Essa é a proposta da Nuvem Sorvete, com fábrica em Jacarepaguá, ao se associar à firma La Estampa, cujo ateliê fica em São Cristóvão. O ?desfile? começou há duas semanas, com apenas cinco vendedores na Zona Sul, que exibem isopores coloridos e camisas da cor do açaí. Um deles está na foto abaixo. É Arnold Alves, morador do Vidigal, e agora todo pimpão circulando pelo Posto 9. Aberta há um mês, a Nuvem vai se tornando conhecida e já oferece seus produtos a restaurantes como o Sushi Lagoa e o Aconchego Carioca.

Memória da cidade

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Era o início da década de 70, e ele, ninguém menos que Tom Jobim, gostava de posar desse jeito, com short, sapato e audácia, no telhado de sua casa, na Rua Codajás, dentro do exclusivo condomínio Jardim Pernambuco, no Leblon. No 3º andar ficava seu estúdio (o imóvel foi demolido tempos depois). A foto faz parte de um hotsite recém-incluído no portal que abriga o acervo do compositor ? www.jobim.org. Dessa safra de quase 800 imagens, o mais interessante é a linha do tempo mostrando os primeiros cliques do menino, nascido em 1927.

Os registros comprovam que o maestro viveu intensamente a cidade. Ele aparece, por exemplo, passeando em Ipanema, curtindo com a família um sábado no Centro e, aos 2 anos, fazendo travessuras em Copacabana.

Arquitetura livre

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Como é que uma dupla de arquitetos com piercings no nariz, alargadores de orelha e dezenas de tatuagens pelo corpo propõe um ambiente tão clean e caprichado? Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Responsáveis por projetos tão díspares como os do Hostel Zbra, no Leblon, e do escritório de advocacia do renomado Luiz Fernando Gevaerd, na Barra da Tijuca, Alexandre Ribeiro,

44 anos, e Natacha Weibel, 38, da RioContemporânea Arquitetura, entregaram há alguns meses a arte-final para a nova sede da Som Livre, que deixará Botafogo e irá para a Barra. Abaixo está a antessala do escritório, que deve ficar pronto no mês que vem.

Fonte: VEJA RIO