EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

Beleza que não cansa

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O sol parece sair da barriga da praticante de ioga, que se estica toda nas areias da Praia do Leblon. Esse efeito foi captado por Marco Terranova, 48 anos, craque na arte de eternizar paisagens cariocas sob ângulos diferentes e, algumas vezes, bastante ousados. Além de fotógrafo profissional, ele é escalador e costuma se aventurar em montanhas como a Pedra da Gávea e o Pão de Açúcar. Seu próximo projeto segue a mesma linha: vai se pendurar nas encostas do Morro de Santa Marta e de lá de cima terá metade de Botafogo posando para suas lentes. Parte de sua produção foi reunida no livro Rio em Movimento, com 200 páginas e 115 imagens, que acaba de ser lançado pela Andrea Jakobsson Editora.

Motocicletas voadoras

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Saem os cavalos de verdade, entram os cavalos dos motores. A maquete mostra como vai ficar o circuito da sétima edição da Copa Brasil de Motocross Freestyle, pela primeira vez realizada na Hípica, na Lagoa. Ela vinha sendo disputada na orla, em lugares como o quebra-mar da Barra e a Praia do Leme. O evento, que momentaneamente expulsa os animais da pista de terra (12 e 13 de janeiro), terá entrada gratuita e vai reunir pilotos brasileiros e americanos. Os saltos entre as rampas atingirão 11 metros de altura, e haverá ainda uma competição paralela, chamada Best Whip, para escolher a melhor "entortada" de motos.

Sem espaço para o brinquedinho

O surfista Rico de Souza vive quebrando recordes. Certa vez juntou 100 brothers para pegar uma mesma onda. E deu certo. Sua mais recente façanha foi ter ficado trinta segundos sem cair, remando de pé em cima daquilo que ele chama de "super stand-up paddle", um pranchão de 10 metros que mandou fabricar. Desafio cumprido e nome na história do esporte, aí veio a pergunta: onde guardar tão delicado objeto? Em sua casa não cabe mais nada. Ali já há 120 pranchas, acumuladas em quase cinquenta anos de carreira. O jeito será devolvê-la, na semana que vem, à fábrica do parceiro Daniel Friedmann, no Recreio. Ela ficará repousando por lá, exposta como num museu -- mas na horizontal, deitada, é bom frisar.

Memória da cidade

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A multidão em frente ao Scala, no Leblon (a foto é de 1984), estava ali para ver a entrada dos foliões do Gala Gay, evento que, sob diferentes nomes e em variadas sedes, por anos a fio fez parte da agenda oficial do Carnaval carioca. Mas a festa pode estar com os dias contados. O trio que criou a chancela Bailes do Rio -- Ricardo Amaral, Alexandre Accioly e Luiz Calainho -- vem tendo outro entendimento sobre a questão: a turma GLS já estaria tão espalhada pelos salões da cidade, de forma natural e sem sofrer preconceito, que não precisaria de um baile só para ela. Faz algum sentido. A conferir. O cartunista caiu no samba

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Uma famosa cervejaria, inspirada na chegada do verão e no clima de pré-Carnaval, contratou o cartunista Ziraldo, 80 anos recém-completados, para dar um toque de alegria em suas latinhas de alumínio. Ele fez cinco desenhos destacando pontos turísticos e personagens da cidade -- à direita, meninas com um biquíni minúsculo no calçadão de Copacabana. Mas há também imagens mais comportadas, como um pierrô enrolado em serpentinas e uma roda de sambistas dançando nos Arcos da Lapa. Estão saindo da fábrica 50 milhões de unidades, vendidas a partir da próxima semana no Rio, e depois em Brasília e Fortaleza.

Fonte: VEJA RIO